A visibilidade do enfermeiro em unidades de terapia intensiva: percepções de trabalhadores

Autores

  • Liza Amaral Frota
  • Silviamar Camponogara Universidade Federal de Santa Maria
  • Éder Luís Arboit Universidade de Cruz Alta
  • Fernando Tolfo Universidade Federal de Santa Maria, Hospital Universitário
  • Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria
  • Eliane de Oliveira Freitas Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v17i3.31608

Palavras-chave:

Enfermeiros, Papel do profissional de Enfermagem, Unidades de Terapia Intensiva

Resumo

Objetivou-se conhecer as percepções de trabalhadores da área da saúde sobre a visibilidade do enfermeiro atuante em unidade de terapia intensiva. Pesquisa exploratória, descritiva, de abordagem qualitativa, realizada em um hospital de grande porte do Sul do Brasil. Os participantes foram médicos, fisioterapeutas, secretárias e serventes de limpeza atuantes nas unidades de terapia intensiva. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada e submetidos à análise de conteúdo, modalidade temática. A visibilidade do enfermeiro é reconhecida pela sua articulação do processo assistencial, subsidiada pelo conhecimento científico e capacidade gerencial. A falta de apoio institucional e a sobrecarga de trabalho foram apontadas pelos outros profissionais como limites. A grande responsabilidade imputada ao enfermeiro e a sobrecarga são fatores desfavoráveis a visibilidade, já o conhecimento científico aliado ao fazer do enfermeiro, lhe dá visibilidade, credibilidade, confiança e respeito por parte da equipe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liza Amaral Frota

Enfermeira. Santa Maria, RS, Brasil. E-mail: liza.enf.frota@gmail.com.

Silviamar Camponogara, Universidade Federal de Santa Maria

Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Santa Maria, RS, Brasil. E-mail: silviaufsm@yahoo.com.br.

Éder Luís Arboit, Universidade de Cruz Alta

Enfermeiro, Mestre em Enfermagem. Professor da Universidade de Cruz Alta. Cruz Alta, RS, Brasil. E-mail: eder.arb@bol.com.br.

Fernando Tolfo, Universidade Federal de Santa Maria, Hospital Universitário

Enfermeiro, Mestre em Enfermagem. Enfermeiro Assistencial no Hospital Universitário de Santa Maria da UFSM. Santa Maria, RS, Brasil. E-mail: fernandotolfo@gmail.com.

Carmem Lúcia Colomé Beck, Universidade Federal de Santa Maria

Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Associado da UFSM. Santa Maria, RS, Brasil. E-mail: carmembeck@gmail.com.

Eliane de Oliveira Freitas, Universidade Federal de Santa Maria

Enfermeira, Mestre em Enfermagem. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, nível Doutorado, da UFSM. Santa Maria, RS, Brasil. E-mail: etiof@yahoo.com.br.

Publicado

07/04/2016

Como Citar

1.
Frota LA, Camponogara S, Arboit Éder L, Tolfo F, Beck CLC, Freitas E de O. A visibilidade do enfermeiro em unidades de terapia intensiva: percepções de trabalhadores. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 7º de abril de 2016 [citado 23º de maio de 2022];17(3). Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/31608

Edição

Seção

Artigo Original