Percepção da família sobre a assistência a pessoas com hipertensão arterial que foram a óbito

Autores

  • Mayckel da Silva Barreto Secretaria Municipal de Saúde de Mandaguari
  • Regina Lúcia Dalla Torre Silva Universidade Estadual de Maringá
  • Maria Angelica Pagliarini Waidman Universidade Estadual de Maringá
  • Sonia Silva Marcon Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.5216/ree.v15i1.19085

Palavras-chave:

Hipertensão, Família, Saúde da Família, Enfermagem Familiar

Resumo

RESUMO

O objetivo deste estudo foi identificar como as famílias de pessoas com hipertensão que foram a óbito em decorrência de doenças cerebrovasculares perceberam a assistência prestada aos mesmos na atenção básica. Os dados foram coletados em janeiro e fevereiro de 2008 em 16 municípios da macrorregião noroeste do Paraná, junto a familiares de 42 pessoas, a partir de entrevista semiestruturada. Os resultados mostraram que as famílias qualificam a assistência prestada na atenção básica considerando visitas domiciliares realizadas com frequência e a presença do médico e pelo apoio recebido dos profissionais na realização dos cuidados. Entretanto, identificaram a demora nos encaminhamentos para exames e consultas com especialistas e a indiferença de alguns profissionais durante a assistência como principais problemas. Os achados podem contribuir para a definição de ações assistenciais a serem adotadas pelos serviços de saúde, objetivando a melhora do acompanhamento à pessoa com hipertensão e sua família.

Descritores: Hipertensão; Família; Saúde da Família; Enfermagem Familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayckel da Silva Barreto, Secretaria Municipal de Saúde de Mandaguari

Enfermeiro. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá (PSE/UEM), nível Mestrado. Enfermeiro da Secretaria Municipal de Saúde de Mandaguari. Mandaguari, PR, Brasil. E-mail: mayckelbar@gmail.com.

Regina Lúcia Dalla Torre Silva, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeira, Mestre em Saúde Coletiva. Discente do PSE/UEM, nível Doutorado. Professora Assistente do Departamento de Enfermagem da UEM. Maringá, PR, Brasil. E-mail: rldtorre@uem.br.

Maria Angelica Pagliarini Waidman, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta do Departamento de Enfermagem da UEM. Maringá, PR, Brasil. E-mail: angelicawaidaman@hotmail.com.

Sonia Silva Marcon, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeira, Doutora em Filosofia da Enfermagem. Professora Associada do Departamento de Enfermagem da UEM. Maringá, PR, Brasil. E-mail: soniasilva.marcon@gmail.com.

Downloads

Publicado

31/03/2013

Como Citar

1.
Barreto M da S, Silva RLDT, Waidman MAP, Marcon SS. Percepção da família sobre a assistência a pessoas com hipertensão arterial que foram a óbito. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 31º de março de 2013 [citado 22º de maio de 2022];15(1):162-71. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/19085

Edição

Seção

Artigo Original