O que significa classificar? Variações prisionais, terapêuticas e culturais do pentecostalismo urbano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sec.v25.71109

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar o trabalho de classificação realizado por agentes sociais que entram em contato com diversas propostas neopentecostais na cidade e no subúrbio de Buenos Aires, Argentina. O estudo propõe uma sistematização das ações de classificação que surgem em três campos de pesquisas realizadas nos últimos dez anos (2011-2021). Incluem a exploração de dispositivos terapêuticos religiosos no tratamento de vícios, a análise dos pavilhões cristãos nas prisões de Buenos Aires e as práticas de consumo cultural de produtos evangélicos (livros, música, filmes, etc.). Dentre os resultados, fica evidente como as estratégias de "reclassificação", "superclassificação" e "desclassificação" definem diferentes formas de habitar crenças por meio de aproximações permanentes e distanciamentos. A pesquisa recupera uma abordagem qualitativa e uma estratégia de produção de dados que inclui entrevistas em profundidade, observações participantes e análise documental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joaquin Algranti, Universidad de Buenos Aires (UBA), Buenos Aires, Argentina, jalgranti@hotmail.com

Doutor em Ciências Sociais na Universidade de Buenos Aires em co-tutela com a Escola Francesa de Estudos Avançados em Ciências Sociais (EHESS). Professor na UBA-FCS e na Universidade de Salvador. Pesquisador Independente do CONICET no programa CEIL Sociedade, Cultura e Religião. 

Publicado

2022-07-07

Como Citar

ALGRANTI, J. O que significa classificar? Variações prisionais, terapêuticas e culturais do pentecostalismo urbano. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 25, 2022. DOI: 10.5216/sec.v25.71109. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fcs/article/view/71109. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos Livres