PADRÕES E TENDÊNCIAS ESPAÇO-TEMPORAIS DA OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS NO CERRADO ENTRE 1999 E 2018

PATTERNS AND SPACE-TIME TRENDS OF THE OCCURRENCE OF FIRES IN THE CERRADO BETWEEN 1999 AND 2018

Autores

  • Maíra Iaê Savioli Rocha Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Goiás – Campus Cora Coralina (PPGEO UEG)
  • Diego Tarley Ferreira Nascimento Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás e Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v42.70659

Resumo

As queimadas são corriqueiramente empregadas no bioma Cerrado para renovação de pastagens e limpeza de terrenos agrícolas. Todavia, o seu uso também se encontra associado ao desmatamento e à implantação de atividades agropecuárias. Nesse sentido, tem-se por objetivo no presente trabalho prover o mapeamento e a subconsequente análise dos padrões espaciais e das tendências temporais de ocorrência de queimadas no bioma Cerrado registradas entre 1999 e 2018. Para tanto, os focos de queimadas provenientes do Banco de Dados de Queimadas (BDQueimadas/INPE) foram contabilizados segundo as microrregiões definidas pelo IBGE e analisados a partir atributos espaciais, estatísticas de autocorrelação espacial e pela ferramenta Emerging Hot Spot Analysis. Os resultados demonstraram concentração e alta associação espacial dos focos de queimadas em microrregiões situadas junto aos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia (região do MATOPIBA), além do Mato Grosso (Arco de Desmatamento) e norte de Goiás, regiões notadamente reconhecidas como fronteiras de expansão das atividades agrícolas no bioma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2022-02-11 — Atualizado em 2022-02-11

Versões

Como Citar

ROCHA, M. I. S.; NASCIMENTO, D. T. F. PADRÕES E TENDÊNCIAS ESPAÇO-TEMPORAIS DA OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS NO CERRADO ENTRE 1999 E 2018: PATTERNS AND SPACE-TIME TRENDS OF THE OCCURRENCE OF FIRES IN THE CERRADO BETWEEN 1999 AND 2018. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 42, n. 01, 2022. DOI: 10.5216/bgg.v42.70659. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/70659. Acesso em: 6 jul. 2022.