NÃO PERMITA DEUS QUE EU MORRA SEM ENTENDER ESSA METRÓPOLE

MAY GOD NOT ALLOW ME TO DIE WITHOUT UNDERSTANDING THIS METROPOLIS

Autores

  • Clovis Ultramari Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Manoela Massuchetto Jazar Pontifícia Universidade Católica do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v42.63300

Resumo

O contexto deste artigo é o do diálogo interdisciplinar entre cidade e literatura, onde a segunda é tomada como fonte complementar de informação em leitura com viés urbanístico. A partir da geografia vivida por Guilherme de Almeida e duas de suas obras (Cosmópolis e Pela Cidade), consideradas representativas de sua relação com a metrópole de São Paulo, discutimos processos urbanos capazes de eventualmente serem generalizados para outros contextos. Analisamos a construção de uma geografia interurbana e intraurbana do autor, suas referências a elementos e compartimentos da cidade e relações temporais entre narrativas e mudanças no processo de urbanização da capital paulista entre 1930 e 1969. A Guillherme de Almeida não interessava explicar a cidade a partir de princípios urbanísicos; este artigo utiliza seus textos “à revelia”. A conclusão evidencia fractais na sua visão como morador da metrópole e reitera a potencialidade da literatura como fonte para o estudo urbano, provocando debates, reduzindo vazios investigativos e complementando abordagens tradicionais que dão sinais de esgotamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2022-09-06

Como Citar

ULTRAMARI, C.; MASSUCHETTO JAZAR, M. NÃO PERMITA DEUS QUE EU MORRA SEM ENTENDER ESSA METRÓPOLE: MAY GOD NOT ALLOW ME TO DIE WITHOUT UNDERSTANDING THIS METROPOLIS. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 42, n. 01, 2022. DOI: 10.5216/bgg.v42.63300. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/63300. Acesso em: 30 jan. 2023.