Diagnóstico da fragilidade ambiental na bacia hidrográfica do Rio Santo Antônio, MS: subsídio ao zoneamento ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v38i3.56362

Resumo

Este trabalho tem por objetivo identificar os níveis de fragilidade ambiental da Bacia Hidrográfica do rio Santo Antônio e propor um zoneamento ambiental preliminar. Para isso, utilizou-se a metodologia de Ross (1994 e 2012) da fragilidade potencial e ambiental, apoiada em dados de sensoriamento remoto e de
geoprocessamento. Foi utilizada imagem de satélite Landsat 8/OLI - 2014 para o mapeamento do uso da terra e dados do projeto GeoMS sobre a cobertura vegetal. A fragilidade ambiental foi elaborada a partir da combinação dos mapas de fragilidade potencial com o mapa temático de uso e cobertura da terra de 2014. Os resultados demonstram que há predomínio de média fragilidade ambiental (74,81%), associada à ocupação
majoritária da bacia pela pastagem, que ocupa 52,1% da área. Há também conflitos em Áreas de Preservação Permanente (APP) ocupadas irregularmente por pastagem e agricultura. Considerando a situação em que se encontra a bacia foi proposto um zoneamento ambiental preliminar, com diretrizes de uso e ocupação da área de modo sustentável e com recomendações e restrições de uso em áreas mais frágeis, bem como proposições de recuperação das áreas que se encontram degradadas.


Palavras-chave: Fragilidade ambiental, Geoprocessamento, Uso da terra, Bacia hidrográfica do Rio Santo Antônio

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleiton Messias Rodrigues Abrão, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil, cleiton.geografo@yahoo.com.br

Vitor Matheus Bacani, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, Brasil, vitor.bacani@ufms.br

Downloads

Publicado

2018-12-17

Como Citar

MESSIAS RODRIGUES ABRÃO, C.; MATHEUS BACANI, V. Diagnóstico da fragilidade ambiental na bacia hidrográfica do Rio Santo Antônio, MS: subsídio ao zoneamento ambiental. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 38, n. 3, p. 619–645, 2018. DOI: 10.5216/bgg.v38i3.56362. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/56362. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos