A EXPANSÃO DA IRRIGAÇÃO POR PIVÔS CENTRAIS NO ESTADO DE GOIÁS (1984-2015)

Autores

  • Lindolfo Caetano Pereira Júnior Universidade Federal de Goiás
  • Nilson Clementino Ferreira
  • Fausto Miziara

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v37i2.49158

Resumo

Neste artigo, o avanço da irrigação por pivôs centrais em Goiás é analisado em um contexto de expansão da fronteira agrícola. Tal abordagem visou verificar se o trinômio relevo, pedologia e infraestrutura, guias da ocupação agrícola no estado, também é agente do avanço da irrigação. Para tal, foram utilizados dados governamentais e imagens Landsat para o mapeamento desses equipamentos no período de 1984 a 2015. No ano de 2015, o estado apresentou um total de 3.489 equipamentos, perfazendo uma área irrigada de 242.128 ha. Observou-se um claro padrão de distribuição da irrigação por pivôs no estado, sendo que 60% dos equipamentos existentes encontram-se em área de relevo plano com latossolos e até 10 quilômetros de uma rodovia pavimentada. Essa técnica está consolidada em Goiás e tende a se expandir nos próximos anos, em uma expansão gradual e contínua, fatos que facilitam as ações de gestão dos recursos hídricos em longo prazo. Os equipamentos mapeados encontram-se em áreas de preço médio da terra, mais afastadas dos grandes centros, mas com a infraestrutura necessária para o escoamento da produção. Palavras-chave: Fronteira agrícola, irrigação, recursos hídricos, infraestrutura

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

CAETANO PEREIRA JÚNIOR, L.; CLEMENTINO FERREIRA, N.; MIZIARA, F. A EXPANSÃO DA IRRIGAÇÃO POR PIVÔS CENTRAIS NO ESTADO DE GOIÁS (1984-2015). Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 37, n. 2, 2017. DOI: 10.5216/bgg.v37i2.49158. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/49158. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos