ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO DE SILVEIRA MARTINS – RS

Autores

  • Franciele Francisca Marmentini Rovani Universidade Federal de Goiás
  • Márcio Viera

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v37i1.46249

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo elaborar o Zoneamento Ecológico-Econômico do município de Silveira Martins – RS, integrando informações da vulnerabilidade natural à perda de solo, potencialidade social e áreas de preservação permanente. Para tanto, criou-se um banco de dados espaciais em um ambiente de Sistemas de Informações Geográficas com auxílio do software Spring versão 5.0.6. Utilizou-se informações referentes à geomorfologia, geologia, solos, declividade, rede de drenagem, uso e ocupação da terra, população, economia,
educação e saneamento básico. A integração das informações foi realizada por meio da álgebra de mapas. Como resultado destaca-se o mapa do zoneamento com seis zonas. A maior zona é a de conservação (40,72%), caracterizada pela alta vulnerabilidade e restrição de potencial social, seguida da zona de consolidação (37,76%), compreendendo as áreas produtoras. As zonas de restrição de uso (10,20%), constituídas pelas áreas com inclinação entre 25º a 45º, e de recuperação (2,50%), merecem maior atenção quanto às práticas
agrícolas. A zona de área de preservação permanente (7,92%) também merece destaque quanto às áreas conflitantes. E, por último, a zona urbanizada (0,90%), que é constituída pela área urbana. Este cenário atual
indica as áreas que merecem maior atenção e intervenção quanto ao planejamento e gestão territorial.
Palavras-chave: Zoneamento ecológico-econômico, vulnerabilidade natural, potencialidade social,
geoprocessamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-04-05

Como Citar

FRANCISCA MARMENTINI ROVANI, F.; VIERA, M. ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO DE SILVEIRA MARTINS – RS. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 37, n. 1, p. 140–157, 2017. DOI: 10.5216/bgg.v37i1.46249. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/46249. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos