DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ENTEROPARASITISMO EM USUÁRIOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE, EM LIMOEIRO DO NORTE, CEARÁ, BRASIL, ENTRE 2009 E 2014 - DOI 10.5216/bgg.v36i3.44559

Autores

  • Carlos Vangerre de Almeida Maia Universidade Federal de Goiás
  • Gustavo Souza Valladares
  • Izabella Cabral Hassum

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v36i3.44559

Resumo

O enteroparasitismo é um agravo de amplitude global, possuindo relação com as condições ambientais, guardando diferenças inter- e intrarregionais. Os Sistemas de Informações Geográficas (SIG) podem auxiliar o planejamento que almeje seu controle. O objetivo desta pesquisa foi espacializar a prevalência enteroparasitária em usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) em Limoeiro do Norte, Ceará, Brasil. Foram utilizados dados secundários, oriundos do Hospital Regional Dr. Deoclécio Lima Verde (HRDDLV), referente aos anos 2009 a 2014, realizando análise descritiva, mediante técnicas estatísticas com intervalo de confiança de 95%. A prevalência vem sendo reduzida ao longo dos anos (p < 0,01); as mulheres foram as mais acometidas (p < 0,05), constatou-se maior prevalência das infecções protozoárias (p < 0,01); o evento foi mais frequente entre aqueles que habitam a zona rural (p < 0,01), em especial, os pacientes residentes no território adstrito da Unidade Básica de Saúde (UBS) denominada Serra (p < 0,01). O uso do SIG, mediante produção de mapa temático, mostrou ser de grande valia para a identificação de áreas de risco, sendo, uma ferramenta que pode auxiliar a gestão no planejamento visando o controle dessa infecção. Palavras-chave: parasitoses intestinais, geoprocessamento, áreas de risco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-09

Como Citar

VANGERRE DE ALMEIDA MAIA, C.; SOUZA VALLADARES, G.; CABRAL HASSUM, I. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ENTEROPARASITISMO EM USUÁRIOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE, EM LIMOEIRO DO NORTE, CEARÁ, BRASIL, ENTRE 2009 E 2014 - DOI 10.5216/bgg.v36i3.44559. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 36, n. 3, p. 572–587, 2016. DOI: 10.5216/bgg.v36i3.44559. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/44559. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos