PARQUE ECOLÓGICO DAS TIMBAÚBAS: UM PARADOXO NA RELAÇÃO HOMEM-NATUREZA EM JUAZEIRO DO NORTE (CE) - DOI 10.5216/bgg.v35i2.37434

Autores

  • Diego Coelho do Nascimento Universidade Federal de Goiás
  • Gledson Alves Rocha
  • Verônica Salgueiro do Nascimento

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v35i2.37434

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal refletir sobre o paradoxo na relação homem-natureza existente no ParqueEcológico das Timbaúbas em Juazeiro do Norte (CE), enfocando aspectos relativos à qualidade de vida urbana,educação para sustentabilidade e degradação ambiental. A pesquisa enquadra-se na condição de Estudo deCaso, tendo como abordagem metodológica o método qualitativo, em que se realizou análise bibliográfica edocumental, além de visitas de campo. O Parque das Timbaúbas é a maior área verde e única de preservaçãopermanente de Juazeiro do Norte (CE), maior cidade do interior cearense que vive fase de grande crescimentodemográfico e econômico. A indagação norteadora do estudo foi: como se promove qualidade de vida urbanae educação ambiental em um espaço degradado? Pois, com a realização da pesquisa, se comprovou que aárea em questão, apesar de possuir relevância destacada na interação homem-ambiente e de possuir funçãoecológica, de lazer, estética e social indispensáveis, encontra-se degradada em muitos aspectos. É necessáriaa tomada de decisões que propiciem melhor estruturação do supracitado equipamento a fim de que ele cumprasuas finalidades enquanto espaço promotor de qualidade de vida urbana e de práticas de educação ambiental.

Palavras-chave: áreas verdes, urbanização, conscientização, meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-07-22

Como Citar

COELHO DO NASCIMENTO, D.; ALVES ROCHA, G.; SALGUEIRO DO NASCIMENTO, V. PARQUE ECOLÓGICO DAS TIMBAÚBAS: UM PARADOXO NA RELAÇÃO HOMEM-NATUREZA EM JUAZEIRO DO NORTE (CE) - DOI 10.5216/bgg.v35i2.37434. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 35, n. 2, p. 339–358, 2015. DOI: 10.5216/bgg.v35i2.37434. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/37434. Acesso em: 27 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos