REFLEXÕES INTERPRETATIVAS SOBRE AS MANCHAS DE AREIA DO SUDOESTE DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL: DA DESERTIFICAÇÃO À ARENIZAÇÃO - DOI 10.5216/bgg.v35i2.37431

Autores

  • Andrey Luis Binda Universidade Federal de Goiás
  • Roberto Verdum

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v35i2.37431

Resumo

As manchas de areia do sudoeste do estado do Rio Grande do Sul, Brasil, formam feições notáveis na paisagem,assemelhando-se, de longe, com desertos. Mesmo com essa semelhança, cabe a interrogação: poder-se-iaafirmar que essa área se encontra em uma posição geográfica correlata às áreas desérticas do globo? Ouquestionar: Onde o clima é seco e passível à desertificação? Ou: Onde ocorrem mudanças ou tendênciasclimáticas que induziriam a instauração de um clima árido/semiárido? Ou, ainda: Onde haveria sazonalidade naprecipitação de modo a caracterizar um período seco bem definido? Questionamentos feitos, no presente ensaiobusca-se a eles responder baseados na premissa de desmistificar a ocorrência de deserto ou de processosde desertificação na área, mas também na apresentação dos processos de arenização como base para acompreensão dessas manchas de areia denominadas de areais.Palavras-chave: deserto, areais, clima.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-07-22

Como Citar

LUIS BINDA, A.; VERDUM, R. REFLEXÕES INTERPRETATIVAS SOBRE AS MANCHAS DE AREIA DO SUDOESTE DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL: DA DESERTIFICAÇÃO À ARENIZAÇÃO - DOI 10.5216/bgg.v35i2.37431. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 35, n. 2, p. 255–271, 2015. DOI: 10.5216/bgg.v35i2.37431. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/37431. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos