MAPEAMENTO DA VEGETAÇÃO NATIVA ORIGINAL EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO ESTADO DE GOIÁS E DISTRITO FEDERAL UTILIZANDO GEOESTATÍSTICA - DOI 10.5216/bgg.v33i1.23640

Autores

  • Cassio Henrique Giusti Cezare Universidade Federal de Goiás
  • Nilson Clementino Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v33i1.23640

Resumo

A grande diversidade de espécies de animais e plantas está associada à diversidade de ambientes. Enquanto a estratificação vertical da Amazônia ou da Mata Atlântica proporciona oportunidades diversas para o estabelecimento das espécies, no Cerrado a heterogeneidade espacial parece ser um fator determinante para a ocorrência de um variado número de espécies. Os recursos computacionais disponíveis atualmente propiciaram ganhos significativos para as pesquisas geográficas. O presente trabalho teve como objetivo avaliar o potencial da geoestatística para elaborar um mapa da vegetação nativa original de Goiás e do Distrito Federal. Para entender a variação espacial, a variável vegetação foi analisada juntamente com outras três (solos, altitude e precipitação anual). Os valores do Erro Médio Padrão obtidos na Predição de Erros da Validação Cruzada e na Validação foram baixos. O modelo esférico e o interpolador cokrigagem apresentaram bons resultados na predição. Acredita-se que o resultado possa ser melhor, se for amenizado o fato de os maiores erros de
predição estarem situados nas bordas da área de estudo e/ou próximos às áreas com menor densidade de pontos relativos à cobertura vegetal nativa (ex. Sul e Sudoeste goiano) ou com ausência de informação (ex. porção do bioma Mata Atlântica em Goiás).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-04-10

Como Citar

HENRIQUE GIUSTI CEZARE, C.; CLEMENTINO FERREIRA, N. MAPEAMENTO DA VEGETAÇÃO NATIVA ORIGINAL EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO ESTADO DE GOIÁS E DISTRITO FEDERAL UTILIZANDO GEOESTATÍSTICA - DOI 10.5216/bgg.v33i1.23640. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 33, n. 1, p. 147–167, 2013. DOI: 10.5216/bgg.v33i1.23640. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/23640. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos