CARACTERIZAÇÃO ESPAÇOTEMPORAL DE DUAS FLORESTAS ESTACIONAIS DO OESTE BAIANO, BARREIRAS-BA - DOI 10.5216/bgg.v32i1.18961

Autores

  • Daiany Caroline Joner Universidade Federal da Bahia
  • Luci Ferreira Ribeiro Universidade Federal da Bahia
  • Pablo Santana Santos Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v32i1.18961

Resumo

Em estudos com fitofisionomias do Bioma Cerrado, as florestas estacionais estiveram entre as formações commaior carência de estudo. Apesar do aumento expressivo de pesquisas nos últimos anos, elas se concentramem estados do sul e sudeste brasileiro, já em boa parte do Cerrado nordestino, ainda há muitas lacunas noconhecimento dos processos ecológicos que as envolvem. Este artigo tem como objetivo suprir parte dessadeficiência ao descrever a estrutura espacial e a dinâmica da cobertura vegetal de duas florestas estacionais.Ao longo da paisagem regional, essas fitofisionomias, em que estão restritas a eixos de drenagem próximos àsvertentes dos chapadões dominantes na região. Para a avaliação espaço-estrutural das duas fitofisionomias,foram elaborados diagramas de perfis de vegetação e análise florística, já a dinâmica temporal foi observadaatravés do cálculo do Índice de Área Foliar (LAI) das estações chuvosa e seca usando como referênciaimagens de satélite. Averiguou-se que as florestas estudadas possuem características estruturais e florísticasdiferenciadas, as quais têm papel fundamental na dinâmica temporal percebida pelo LAI, cujos índices sãosemelhantes na estação chuvosa, distinguindo-se significativamente na estação seca. Este estudo demonstraa importância dessas metodologias na definição de unidades da paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-06-15

Como Citar

CAROLINE JONER, D.; FERREIRA RIBEIRO, L.; SANTANA SANTOS, P. CARACTERIZAÇÃO ESPAÇOTEMPORAL DE DUAS FLORESTAS ESTACIONAIS DO OESTE BAIANO, BARREIRAS-BA - DOI 10.5216/bgg.v32i1.18961. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 32, n. 1, p. 135–150, 2012. DOI: 10.5216/bgg.v32i1.18961. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/18961. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos