MAPEAMENTO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO BIOMA CERRADO DO ESTADO DO MATO GROSSO - DOI 10.5216/bgg.V31i2.16847

Autores

  • Francisco Fernando Noronha Marcuzzo Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais / Serviço Geológico do Brasil
  • Hudson Moraes Rocha Universidade Federal de Goiás
  • Denise Christina de Rezende Melo Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais / Serviço Geológico do Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v31i2.16847

Resumo

A análise do comportamento das chuvas se torna importante, uma vez que possibilita detectar tendênciasou alterações no clima, em escalas local, regional ou global. O presente trabalho mapeou a distribuição daprecipitação pluviométrica no bioma Cerrado do estado do Mato Grosso. Utilizaram-se dados de 33 estaçõespluviométricas distribuídas no bioma do Cerrado Mato-Grossense, com dados de 30 anos, de 1977 a 2006.Foram elaborados mapas de chuvas com o auxílio de isoietas e aplicado o cálculo do Índice de Anomalia deChuva (IAC) para a classificação dos períodos secos ou úmidos, de acordo com a média local, organizadas emmédias temporais mensal, anual e sazonal da precipitação. O método de interpolação utilizado foi o Topo toRaster, em que se utiliza o método multigrid simples para minimizar a equação em resoluções cada vez melhores,respeitando restrições dos elementos físicos. Os resultados da distribuição pluviométrica mostram uma grandevariação nos índices precipitados, sendo que o extremo noroeste e norte têm os maiores volumes de chuvase o sul da área de estudo apresenta os menores índices pluviométricos. Com a análise do IAC para o períodode estudo, verificou-se que existe um maior número de anos secos que anos úmidos para o período estudado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-01-12

Como Citar

FERNANDO NORONHA MARCUZZO, F.; MORAES ROCHA, H.; CHRISTINA DE REZENDE MELO, D. MAPEAMENTO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO BIOMA CERRADO DO ESTADO DO MATO GROSSO - DOI 10.5216/bgg.V31i2.16847. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 31, n. 2, p. 83–97, 2012. DOI: 10.5216/bgg.v31i2.16847. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/16847. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos