A água e a olericultura em Pirapozinho – SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v16i2.71321

Resumo

O artigo descreve o resultado de um trabalho realizado junto a pequenos olericultores do município de Pirapozinho – SP, cujo objetivo foi diagnosticar o uso da água na irrigação de hortaliças. Na pesquisa de campo, foram entrevistados 14 produtores olerícolas, seguindo-se um roteiro semiestruturado. Os resultados do trabalho apontaram o sistema de irrigação por aspersão com microaspersores como o sistema de irrigação mais utilizado. A água subterrânea, captada via poços semi artesianos, é a principal fonte de abastecimento, com uma estimativa de retirada média diária entre 100 litros/dia a 5000 litros/dia. Há a necessidade de se melhorar o manejo da irrigação, já que é realizado com base em critérios empíricos, não se assegurando a precisão na distribuição da água, além da necessidade de orientação dos produtores sobre a importância das análises de qualidade da água utilizada na irrigação, já que a maioria dos produtores relatou nunca ter realizado. A melhoria do uso da água na irrigação olerícola do município de Pirapozinho – SP passa necessariamente pelo trabalho em conjunto dos órgãos públicos, órgãos de extensão rural e produtores olerícolas.

Palavras-chave: Hortaliças. Pequenos olericultores. Irrigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-08-20

Como Citar

AZNAR, F. E.; RIZK, M. C. A água e a olericultura em Pirapozinho – SP. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 16, n. 2, p. 244–255, 2022. DOI: 10.5216/ag.v16i2.71321. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/71321. Acesso em: 7 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos