A construção da temporalidade e as novas sensibilidades em Goiânia: Imaginário e Literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v14i2.54666

Resumo

Goiânia consistiu na experiência de criação da cidade planejada como a transformação espacial, completa e simultânea, independente da diacronia, no contexto do seu surgimento. Contudo, hoje o desenho e mesmo seu plano há muito já se transformaram e não mais correspondem às ideias originais. Buscamos compreender tais transformações a partir da construção da temporalidade que vai alterando o sentido das paisagens, promovendo rupturas com as formas que as engendraram e o surgimento de novas imagens e sensibilidades urbanas, sobretudo advindas da literatura e da arte. A construção da temporalidade opera uma transformação nas paisagens de Goiânia em paisagens imaginárias que surgiram sob o signo de serem formas espaciais, ambientais, urbanísticas, arquitetônicas, artísticas e culturais; inclusive, aquelas advindas de processos preservação do passado e da valorização da memória urbana.

Palavras-chave: cidades planejadas, paisagem urbana, poesia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-04-21

Como Citar

PEREIRA DA SILVA, V. C. A construção da temporalidade e as novas sensibilidades em Goiânia: Imaginário e Literatura. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 226–247, 2020. DOI: 10.5216/ag.v14i2.54666. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/54666. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos