Mapa cultural de Goiás

Autores

  • Márcia Cristina Hizim Pelá UFG

Resumo

A Memória e a identidade de sujeitos do campo que migram para a cidade – e saem da cidade para o campo a fim de manterem vivas as suas tradições – são marcas que enunciam as bases da cultura que é produzida, desenvolvida, imaginada e apropriada em diferentes lugares de Goiás. Assim procede-se o cruzamento dos signos rurais com os urbanos, dos externos advindos da mass media com os internos originários da tradição, das várias apropriações e da produção de sentidos, num processo de diferentes feições, conteúdos, ritos, modelos estéticos, de entrelaçamento de significados e de disputa de valor. A partir deste contexto é que se desenvolve a pesquisa MAPA CULTURAL DE GOIÁS que irá desembocar em um livro que se denominará “Povos do Mundaréu”. A pesquisa em andamento decorre de uma parceria do Laboratório de Geografia Humana do Instituto de Estudos Sócio-Ambientais da Universidade Federal de Goiás e do Pontão de Cultura República do Cerrado, a partir do projeto de extensão República do Cerrado – Rede de Pontos de Cultura de Goiás e conta com a seguinte equipe: • Coordenadores: Eguimar Felício Chaveiro e Virgílio Alencar Santana. • Bolsistas e pesquisadores: Benjamim Pereira Vilela, Denis Castilho, Gabriel Carneiro, Joyce Duarte de Aquino, Márcia Cristina Hizim Pelá e Ubiratan Francisco de Oliveira. O propósito da pesquisa é realizar um mapeamento cultural do Estado de Goiás que capture como os hábitos e os costumes da chamada “tradição goiana” se manifestam na atualidade a fim de proceder a uma “escuta” das expressões culturais que ocorrem hoje em Goiás movidos pelos conceitos de “empoderamento” e “protagonismo”. Exporemos o modo como a pesquisa está sendo feita. Palavras Chave: memória, identidade, mapa cultural, Goiás.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-05-10

Como Citar

PELÁ, M. C. H. Mapa cultural de Goiás. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 2, n. 1, p. 162–168, 2008. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/3890. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Nota de Pesquisa