Os mercados da biodiversidade: questões de pesquisa para as Ciências Sociais - DOI 10.5216/ag.v4i1.16705

Autores

  • Catherine Aubertin Institut de recherche pour le développement (IRD), França
  • Florence Pinton AgroParisTech, França
  • Valérie Boisvert Institut de recherche pour le développement (IRD), França

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v4i1.16705

Resumo

Desde o final dos anos 1980, o desenvolvimento das biotecnologias e das patentes sobre os recursos genéticos deixa ver as possibilidades de uso lucrativo das substâncias naturais, especialmente nos setores da farmácia, da cosmética e das sementes. Para conciliar a conservação da biodiversidade e as reivindicações dos povos autóctones, que cuidam daqueles recursos, a Convenção sobre a diversidade biológica, assinada na Conferência do Rio em 1992 propõe a criação de mercados. O objetivo era acabar com a biopirataria e de garantir a repartição justa e eqüitativa dos benefícios. Esses « mercados da biodiversidade », apoiados pela onda do liberalismo econômico, foram objetos de inúmeras especulações. Mas além do slogan, como destaque a transformação do vivo em mercadoria. Quais são as relações entre os países do norte e os países do sul? O quadro jurídico parece já ultrapassado pelo progresso do conhecimento e da tecnologia e não adaptado à complexidade das situações. Sem esgotar a temática, a nossa pesquisa ilustra como as ciências sociais podem tratar dos problemas globais sobre o meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-27

Como Citar

AUBERTIN, C.; PINTON, F.; BOISVERT, V. Os mercados da biodiversidade: questões de pesquisa para as Ciências Sociais - DOI 10.5216/ag.v4i1.16705. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 4, n. 1, p. 6–17, 2011. DOI: 10.5216/ag.v4i1.16705. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/16705. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos