As transformações socioespaciais do território goiano nos períodos de 1930 e 1970 - DOI 10.5216/ag.v4i11.11960

Autores

  • Denis Castilho UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v4i3.16645

Resumo

A transformação dos lugares pela reprodução ampliada do capital no território goiano envolveu, além dos meios de produção e da exploração do trabalho, as condições econômicas, políticas e culturais. Por conseguinte, alguns períodos foram emblemáticos no sentido dessas transformações, já que representaram esforços do Estado, de diferentes atores sociais, sobretudo, dos processos e ações subjugados às lógicas do capital internacional. Assim, o presente estudo propõe analisar o processo de modernização do território goiano a partir de dois períodos: de 1930 a 1970, que teve como expressão espacial a regionalização do Mato Grosso Goiano impulsionado pela criação de Goiânia e da Colônia Agrícola Nacional de Goiás – CANG, e o período que teve início a partir das décadas de 1960 e 1970, onde podemos mencionar a criação de Brasília e de programas como o Polocentro. Estes períodos, sobretudo o segundo, proporcionou a superação da população das cidades sobre a população residente no campo, principalmente nas porções Central e Sul de Goiás. Além de compreender este processo do ponto de vista histórico, é preciso compreender a sua expressão geográfica, neste caso, evidenciada pela forma como os processos e as ações se espacializam e/ou regionalizam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-22

Como Citar

CASTILHO, D. As transformações socioespaciais do território goiano nos períodos de 1930 e 1970 - DOI 10.5216/ag.v4i11.11960. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 4, n. 3, p. 88–106, 2011. DOI: 10.5216/ag.v4i3.16645. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/16645. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos