O uso da biodiversidade local e da agroecologia na recuperação de áreas degradadas em territórios quilombolas nos municípios de Minas Novas e Chapada do Norte, Vale do Jequitinhonha/MG - DOI 10.5216/ag.v5i2.15481

Autores

  • Raphael Fernando Diniz UFMG
  • Maria Aparecida dos Santos Tubaldini UFMG

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v5i2.15481

Resumo

O Vale do Jequitinhonha/MG é uma região conhecida por sua rica biodiversidade em espécies animais e vegetais do Cerrado e de transição para a Mata Atlântica, explorada há séculos por uma lógica singular de manejos com a terra herdada dos povos indígenas e quilombolas. Entretanto, a ocupação das chapadas na década de 1970 pela monocultura do eucalipto implicou em graves conseqüências socioambientais. Diante disso, várias iniciativas foram tomadas, dentre elas, por ONGs e posteriormente por associações quilombolas com o objetivo de superar sérios problemas ambientais. Este trabalho objetiva analisar os resultados obtidos por sistemas agroflorestais – SAFs – implantados em áreas degradadas – “peladores” – de comunidades quilombolas de Minas Novas e Chapada do Norte – MG, visando a recuperação destas áreas e a segurança alimentar das famílias camponesas durante os longos períodos de estiagem. Percebeu-se que importantes avanços foram conseguidos, como a revegetação dos “peladores” por espécies vegetais nativas do Cerrado e a preservação dos solos. Entretanto, constatou-se que a multiplicação destes sistemas tem encontrado limitações decorrentes das idéias hegemônicas de uma racionalidade produtivista ainda predominante na consciência dos agricultores e, principalmente, do Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-08-26

Como Citar

DINIZ, R. F.; TUBALDINI, M. A. dos S. O uso da biodiversidade local e da agroecologia na recuperação de áreas degradadas em territórios quilombolas nos municípios de Minas Novas e Chapada do Norte, Vale do Jequitinhonha/MG - DOI 10.5216/ag.v5i2.15481. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 5, n. 2, p. 123–153, 2011. DOI: 10.5216/ag.v5i2.15481. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/15481. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos