Trajetórias socioespaciais dos militantes do movimento negro na Região Metropolitana de Goiânia- DOI 10.5216/ag.v6i2.15472

Autores

  • Talita Cabral Machado Universidade Federal de Goiás
  • Alex Ratts UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v6i2.15472

Resumo

O objetivo é refletir a produção do espaço urbano a partir das trajetórias socioespaciais individuais e coletivas dos(as) militantes do movimento negro. Os sujeitos que participam do movimento constroem suas identidades a partir do seu corpo negro, o que remete às expressões culturais, religiosas e políticas de cunho racial. A atuação do movimento negro na região metropolitana de Goiânia se materializa no espaço urbano através das trajetórias no bairro, no trabalho, na escola, na universidade, nos locais de lazer, nos locais de militância. A complexidade e diversidade de lugares descobertos, produzidos e fortalecidos pelos(as) militantes desse movimento, remete a compreensão da cidade a partir de um recorte racial e no sentido de construção de territorialidades negras e de matriz africana na cidade. Novos/velhos territórios na cidade são descobertos, fortalecidos e produzidos pelos que participam do movimento negro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Cabral Machado, Universidade Federal de Goiás

Geógrafa e mestranda do Instituto de Estudos Sócio-Ambientais da Universidade Federal de Goiás

Alex Ratts, UFG

Arquiteto e Urbanista pela Universidade Federal do Ceará. Mestre em Geografia Humana e Doutor em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo. Professor Adjunto do Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás. Coordenador do Laboratório de Estudos de Gênero Étnico-Raciais e Espacialidades – LaGENTE

Downloads

Publicado

2012-08-28

Como Citar

MACHADO, T. C.; RATTS, A. Trajetórias socioespaciais dos militantes do movimento negro na Região Metropolitana de Goiânia- DOI 10.5216/ag.v6i2.15472. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 6, n. 2, p. 202–221, 2012. DOI: 10.5216/ag.v6i2.15472. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/15472. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos