INFLUXOS ARTAUDIANOS E AS SABENÇAS DO ILÊ ASÈ OGUM ALAKORÔ

Autores

  • Adriana Rolin Universidade Estadual do Rio de Janeiro, UERJ, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, adrianarolin69@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v9i1.76095

Resumo

Influxos Artaudianos é um laboratório de investigação para as artes da cena sobre qualidades da presença e materialidades da energia, ministrado e desenvolvido pela atriz e arteterapeuta junguian Adriana Rolin com base na sua pesquisa de doutoramento (IA/UERJ/CAPES) que põe em cruzo: os escritos metafóricos de Antonin Artaud, as técnicas do Ateliê de Pesquisa do Ator (APA) com os estudos do imaginário em Carl Gustav Jung e com a Mitologia Yorubá, a partir das sabenças do terreiro Ilê Asè Ogum Alakorô, situado em Magé no Rio de Janeiro. Nesta alquimia vem-se criando um caminho pedagógico que se pretende curativo, além de cênico. O recorte deste artigo recai especificamente sobre a prática cênico-pedagógica Influxos Artaudianos em atravessamento com os ensinamentos do Babalorixá Paulo de Ogum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Rolin, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, UERJ, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, adrianarolin69@gmail.com

Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Estácio de Sá (2013). É pós-graduada em Arteterapia e Processos de Criação pela Universidade Veiga de Almeida (2016). Mestra em Artes (2019) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e doutoranda em Artes também pela UERJ. Trabalhou como Arteterapeuta na Rede CAPS e na Clínica Psiquiátrica Casa das Palmeiras. Atualmente está no Museu de Imagens do Inconsciente desenvolvendo sua pesquisa Influxos Artaudianos e Forças Cósmicas da Natureza. É Atriz Pesquisadora do Ateliê de Pesquisa do Ator coordenado por Stephane Brodt (Amok Teatro) e Carlos Simioni (Lume Teatro). É atriz na Performance Ei,Mulher com base no poema de seu livro Cria Jubal (2016), editoria Metanoia. Também é escritora dos livros: "Versos, Flores e Vaginas" (2018) sobre o processo de envaginar e divinizar o feminino, "Princesa Obá" (2019) para o público infanto-juvenil e "Yriádobá da Ira à Flor" (2019), que é um espetáculo-solo desenvolvido em sua pesquisa de mestrado com base na mitologia afrobrasileira. Também atua como pesquisadora no seguintes grupos de estudos: Mito, Rito e Cartografias Feministas nas Artes coordenado por Luciana Lyra e Medéia e suas Margens coordenado por Denise Espírito Santo, ambos regidos pelo Instituto de Artes (UERJ). É uma das coordenadoras do grupo de extensão Geopoética do Orun ao Ayiê regido pelo Instituto de Biociências (UNIRIO).

Referências

ANTONIN, Artaud. O Teatro e seu Duplo. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BAIOCCHI, Maura. Taanteatro: Teatro Coreográfico de Tensões. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2007.

DERRIDA, Jacques. A Escritura e a Diferença. São Paulo: Perspectiva, 1995.

JUNG, Carl Gustav. O Homem e os seus Símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1964.

MARTINS, Leda Maria. Performances da Oralitura. Limites e Fronteiras, 2019.

QUILICI, Cassiano. Antonin Artaud: Teatro Ritual. São Paulo: Ed. Annablume, 2012.

XXXXX. Influxos Artaudianos via Cartografia do Sul. Artigo. Revista Conccinitas: UERJ, ano 19, número 34, dezembro de 2018.

________________. Yriádobá Da Ira à Flor: Influxos Artaudianos via Mitodologia em Arte. 2019. 219 f. Dissertação (Mestrado em Artes). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

________________. Influxos Artaudianos: Mitologia Yorubá e Processos Decoloniais para as Artes da Cena: ABRACE, ano 19, número 34, dezembro de 2021.

ROLNIK, Suely. Esperas da Insurreição. Rio de Janeiro: N-1 Edições, 2019.

SILVEIRA, Nise. Imagens do Inconsciente. Rio de Janeiro: Alhambra, 1981.

VIRMAUX, Alain. Artaud e o Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2009.

Downloads

Publicado

2023-12-10

Como Citar

ROLIN, A. INFLUXOS ARTAUDIANOS E AS SABENÇAS DO ILÊ ASÈ OGUM ALAKORÔ. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 9, n. 1, p. 324–351, 2023. DOI: 10.5216/ac.v9i1.76095. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/76095. Acesso em: 28 maio. 2024.