Poética de Exu

O mais alegre dos trágicos

Autores

  • Paulo Petronilio Correia Universidade Federal do Rio GRande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, Rio GRande do Sul, BRasil, ppetronilio@uol.com.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v8i2.74139

Resumo

Neste artigo faço uma reflexão filosófica sobre Exu, um dos mais complexos deuses da mitologia nagô para deslocar essa ideia demonizadora forjada pela branquidade e descolonizar a ideia que conhecemos de que a mitologia única e verdadeira surgiu na Grécia. Foi todo um processo de apagamento das narrativas e saberes populares que foram subalternizados pela cultura hegemônica, de supremacia branca e euro centrada a ponto de inferiorizar, bestializar e apagar a memória do povo preto, fruto de toda uma negação do pensamento afro-brasileiro como não legítimo, apontando, com isso, uma certa inferiorização epidérmica, ontológica e epistemológica. Para esse movimento, tenho em mãos uma interpretação de Exu como o nascimento da tragédia afro-brasileira propriamente dita, para deslocar a tragédia desse lugar grego que o ocidente privilegiou como o norte, ou lugar legítimo de produção de conhecimento para refletirmos acerca do teatro como encruzilhada da criação, emergindo aí uma poética trágica que se afirma sob o signo não da dor, do negativo, mas da alegria como acontecimento, como força revolucionária e afirmação da vida. Exu, signo trágico por excelência, será desenhado aqui como um giro decolonial que tensiona, por sua vez, o mito branco, grego, hegemonicamente aceito pelo Ocidente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Petronilio Correia, Universidade Federal do Rio GRande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, Rio GRande do Sul, BRasil, ppetronilio@uol.com.br

Departamento de Pós graduação em Educação da UFRGS.

Graduado em Filosofia pela UFSC Graduado em Letras pela UCG, Mestre em Letras pela UFSC, Doutor em Educação pela UFRGS. Área: Educação.

Referências

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta aberta para mulheres escritoras do terceiro mundo. In: Revista de Estudos Feministas, n. 01, p.229-236, 2000.

ANZALDÚA, Gloria. Borderlands/ La Frontera. 2ª ed. San Francisco: Aunt Lute Books, 1999.

ARISTÓTELES. A Poética clássica. Tradução de Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 1997.

ARTAUD, Antotin. O Teatro e seu Duplo. Tradução Teixeira Coelho; revisão da tradução Mônica Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

AUGRAS, Monique. O Duplo e a Metamorfose: A identidade mítica em comunidade nagô, Petrópolis, Vozes, 1983.

BHABHA, Homi. O Local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Gonçalves. BH: Editora UFMG, 2013.

BACHELARD, Gaston. A Poética do Espaço. Trad. de J. M. Ramos. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

BALANDIER, Georges. A desordem: elogio do movimento; Tradução de Suzana Martins. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

BARRETO, Raquel. Lélia Gonzalez, uma intérprete do Brasil. In: Primavera para rosas negras: Lélia em primeira pessoa. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018.

BOAL, Augusto. A estética do oprimido. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a Filosofia; tradução de Edmundo Fernandes Dias e Ruth Joffily Dias. Rio de janeiro: Editora Rio, 1976.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche. Tradução de Alberto Campos. Portugal: Edições 70, 2001.

ELIADE, Mircea. Tratado de história das religiões. Tradução Fernando Tomaz e Natália Nunes. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

EVARISTO, Conceição. Literatura Negra: uma poética de nossa Afro-brasilidade. Rio de Janeiro: 1996.

GUATTARI. Caosmose: um novo paradigma estético. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Ed. 34, 1992.

HOOKS, Bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. Tradução de Cátia Bocaiuva Maringolo. São Paulo: Elefante, 2019.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódio de um racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

KRENAK, Aílton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

LINS, Daniel. A alegria como força revolucionária. In: Fazendo rizoma: pensamentos contemporâneos. São Paulo: Hedra, 2008.

MAFFESOLI, Michel. O Instante eterno: o retorno do trágico nas sociedades pós-modernas; tradução Rogério de Almeida, Alexandre Dias. São Paulo: Zouk, 2003.

MAFFESOLI, Michel. A Sombra de Dioniso: contribuição a uma sociologia da orgia; tradução Rogério de Almeida. São Paulo: Zouk, 2005.

MARTINS, Leda Maria. A oralitura da memória. Brasil afro-brasileiro/ Organizado por Maria Nazareth Soares Fonseca. BH: Autêntica, 2006.

MARTINS, Leda Maria. Performances do tempo espiralar, poéticas do corpo-tela. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Tradução de Inês Martins Ferreira. Revista Crítica de ciências Sociais. Coimbra, v.1 n. 80, 2008.

NASCIMENTO, Beatriz. Uma história feita por mãos negras; Relações raciais, quilombolas e movimentos; Organização de Alex Ratts. Rio de Janeiro: Zahar, 2021.

NIETZSCHE, Friedrich. O Nascimento da Tragédia ou Helenismo e pessimismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

NABAIS, Nuno. Metafísica do Trágico: estudos sobre Nietzsche. Lisboa: Relógio d'água, 1997.

ORLANDI, Luiz. Marginando a Leitura Deleuzeana do Trágico em Nietzsche. In: O Trágico e seus rastros/ Volnei Edson dos Santos (org). Londrina: Eduel, 2004.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. Ilustrações de Pedro Rafael. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

QUIJANO, Aníbal: Ensayos em torno a la colonialidad del poder: compilado por Walter Mignolo. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2019.

RATTS, Alex. Beira-marinho. Salvador: Organismo Editora, 2022.

REIS, Diego. Saberes encruzilhados: (de)colonialidade, racismo epistêmico e ensino de Filosofia. Dossiê Educar em Revista, Curitiba, v. 36, 2020.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

SALLES, Alexandre. Èsu ou Exú? Da demonização ao resgate da identidade. Rio de Janeiro (Ilú aiye) Rio de Janeiro, 2001.

SANTOS, S. Boaventura. Pela mão de Alice. São Paulo: Cortez Editora, 1995.

SANTOS, JUANA Elbein dos. Os Nagô e a morte: padê, asese e o culto égun na Bahia; traduzido pela Universidade Federal da Bahia. Petrópolis, Vozes, 1986.

SILVA, Vagner Gonçalves. Candomblé e Umbanda: caminhos da devoção brasileira; - 2. Ed.- São Paulo: selo Negro, 2005.

SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro ou As vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Zahar, 2021.

SCHILLER, Friedrich. Do sublime ao trágico. Tradução e ensaios de Pedro Sussekind e Vladimir Vieira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SCHOPKE, Regina. Alegria: a verdadeira resistência. Rio de janeiro: Confraria do vento, 2020.

VIEGAS, Sônia Maria. O Universo Épico-trágico do Grande sertão: veredas. Minas Gerais: Laboratório de Estética da UFMG, 1982.

WILLIAMS, Raymond. Tragédia moderna. Tradução de Betina Bischof. São Paulo: Cosac & Nayf, 2002.

Downloads

Publicado

2023-06-20

Como Citar

CORREIA, P. P. Poética de Exu : O mais alegre dos trágicos. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 8, n. 2, p. 247–296, 2023. DOI: 10.5216/ac.v8i2.74139. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/74139. Acesso em: 20 jun. 2024.