Por um conceito de danças negras

Autores

  • Giuliano Souza Andreoli Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Montenegro, Rio Grande do Sul, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v7i1.64256

Resumo

Este  estudo tem o caráter teórico bibliográfico e analisa as implicações epistemológicas do conceito de danças negras, propondo-o como uma ferramenta de análise para a compreensão das dinâmicas sociais que articulam, a partir do racismo, dança, etnicidade e identidade negra. Utiliza como referencial teorias do campo da História, Sociologia, Antropologia e Estudos Culturais, com ênfase no conceito de Atlantico Negro (GILROY, 2011), na perspectiva decolonial (QUIJANO, 2000; GROSFOGUEL, 2007) e na noção de representatividade (DAVIS, 2014). O artigo aponta para duas possibilidades de uso do conceito: na atualização de práticas e saberes corporais afrodiaspóricos e na representatividade negra na dança. Por fim, discute as possibilidades e os limites das políticas anti-racistas na dança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giuliano Souza Andreoli, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Montenegro, Rio Grande do Sul, Brasil.

Professor de Teoria da Dança no curso de Licenciatura em Dança na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Especialista em Pedagogias do Corpo, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutorando em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia.

Referências

REFERENCIAS

BETHENCOURT, Francisco. Racismos: Das Cruzadas ao século XX. Tradução: Luiz Oliveira Santos, João Quina Edições. – 1°ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, n.26, Campinas, Jan./Jun., 2006.

COSTA, Sérgio. Formas e dilemas do anti-racismo no brasil. In: SILVA, J., SANTOS, M. & RODRIGUES, I. (org), Crítica contemporânea. São Paulo: Ed. Annablume, 2002.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUSSEL, Henrique. Transmodernidade e transculturalidade (Interpretação desde a filosofia da libertação). In: Fortnet – Betencourt, Raul. Interculturalidade: críticas, diálogos e perspectivas. São Leopoldo: Nova Harmonia, 2004. P. 159-208.

FALCÃO DOS SANTOS, Inaycira. Corpo e ancestralidade. Uma proposta pluricultural de dança-arte-educação. Salvador, EDUFBA, 2002. 149 p.

FANON, Franz. Pele Negra e Máscara Branca. Bahia: Editora Edufba, 2008.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Ed. Difusão Européia do Livro, 1972.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes: o legado da raça “branca”. Volume 1. 5°. ed. São Paulo: Globo, 2008.

FERRAZ, Fernando Marques Camargo. Negritudes na Diáspora: Quantas danças cabem num conceito. Anais do III Encontro Científico Nacional de Pesquisadores em Dança- UNESP. São Paulo, 2013.

FISCHER-HORNUNG, Dorothea; GOELLER, Alison D. Embodying Liberation: The Black Body in American Dance. Hamburg: London. Lit Verlag, 2001.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Ed. 34.; Rio de janeiro: Universidade Candido Mendes, Centro de Estudos Afro-asiáticos. 2001. 432 p.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 39-63.

GUIMARÃES. Antonio Sergio. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo. Ed. 34. 1999.

GUIMARÃES. Antonio Sergio. Como trabalhar com “Raça” em sociologia. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, p. 93-107, jan./jun. 2003.

HAIDER, Asad. Armadilha da identidade: raça e classe nos dias de hoje. São Paulo: Veneta, 2019

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11 ed. Rio de Janeiro, DP&A, 2011.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

HALL, Stuart. Raça, o significado flutuante. Tradução de Liv Sovik, em colaboração com Katia Santos. Rio de Janeiro. Revista Z Cultural, n.2, ano 8, 2015.

HASENBALG, C. Entre o mito e os fatos: racismo e relações raciais no Brasil. In: MAIO, M.C., and SANTOS, R.V., orgs. Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; CCBB, 1996, pp. 235-249.

HOFBAUER, Andreas; MUNANGA, Kabengele. Uma história de branqueamento ou o negro em questão. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

MALONE, Jacqui. Steppin’ on the blues: the visible rhythms of African American dance. Urbana and Chicago: University of Illinois Press, l996.

MARTINS, Susana. Corpo em trãnsito entre a ação e a divindade: Polirritmia, policentrismo, sentido holístico. Conceição /Concept., Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 22-30, jan./jun. 2015.

MIGNOLO, Walter; GÓMEZ, Pedro Pablo. Estéticas decoloniales: sentir, pensar, hacer en Abya Yala y la Gran Comarca. In: MIGNOLO, Walter; GÓMEZ, Pedro Pablo. Trayectorias de re-existencia: ensayos en torno a la colonialidad/decolonialidad del saber, el sentir y el crer. Bogota: Universidad Distrital Francisco José de Caldas: Facultad de Artes ASAB, 2015. p. 99-121.

MOORE, Carlos. Racismo e Sociedade. Belo Horizonte: Nandyala, 2007.

MUNANGA, Kabengele e GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global/Ação Educativa, 2006.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Filosofia da ancestralidade como filosofia africana: Educação e cultura afro-brasileira. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Número 18: maio-out/2012, p. 28-47.

OLIVEIRA, Josivaldo Pires de. LEAL, Luiz Augusto Pinheiro. Capoeira, identidade e gênero: ensaios sobre a história social da capoeira no Brasil. - Salvador: EDUFBA, 2009, p.22-23.

ORTIZ, Renato. Identidade nacional e cultura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1994.

POTTER, R.A. Spectacular Vernaculars: Hip-hop and the Politics of Postmodernism. Albany, State University of New York, 1995.

REIS, Fábio W. (1997). Mito e Valor da Democracia Racial. In J. Souza (ed.), Multiculturalismo e Racismo: Uma Comparação Brasil/EUA. Brasília, Paralelo.

RIBEIRO, Júlio. A Carne. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1940.ROSE, T. 1994. Black Noise: Rap Music and Black Culture in Contemporary America (Middletown, Wesleyan University Press) 1994.

SANSONE, Livio. Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais e na produção cultural negra do Brasil. Tradução: Vera Ribeiro. Salvador: Edufba, Pallas, 2007.

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela Mãos de Alice. O Social e o Político na Pós-Modernidade. 7º. ed. Porto: Edições Afrontamento, 1999.

SANTOS, Adalberto. Pensando a arte na diáspora. Repertório, Salvador, ano 20, n. 29, p. 50-67, 2017.

SILVA, Silvia Cristina Martins de Souza. De “dança de negros” a patrimônio cultural: notas sobre a trajetória histórica do jongo do Sudeste brasileiro. Diálogos (Maringá. Online), v. 16, n.2, p. 707-738, mai.-ago./2012.

SODRÉ, Muniz Samba, o dono do Corpo. Mauad Editora Ltda, 1998.

SOUZA, Neuza Santos. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

SOVIK, Liv Rebecca. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

SCHWARCZ, Lilia M.. Viajantes em meio ao império das festas. In: JANCSÓ, István; KANTOR, Íris (orgs). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Hucitec, 2001.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. As teorias raciais, uma construção histórica do final do século XIX. O contexto brasileiro. In: SCHARCZ, Lilia Moritz e QUEIROZ, Renato da Silva (orgs.) Raça e diversidade. São Paulo, Estação Ciência/Edusp, 1996.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cinetistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. ZUBARAN, Maria Angélica. Interlocuções sobre Estudos Afro-brasileiros: pertencimento étnico-racial, memórias negras e patrimônio cultural afro-brasileiro. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, pp. 130-140, Jan/Abr., 2012.

CARNEIRO, A. Suely. A Construção do Outro como Não-ser como fundamento do Ser. São Paulo: FUESP, 2005

TWINE, France Winddance. Racism in a racial democracy: the maintenance of white supremacy in Brazil. New Brunswick, N.J.: Rutgers University Press, 1998.

TEIXEIRA, Maria Aparecida Silva Bento. Resgatando a minha bisavó: discriminação racial no trabalho e resistência na voz dos trabalhadores negros. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 1992, 135 p. (Dissertação, Mestrado em Psicologia Social).

VELLOSO, Mônica Pimenta. É quase impossível falar a homens que dançam: representações sobre o nacional popular. Fênix: Revista de História e Estudos Culturais, v.4, n. 4, out/nov/dez, 2007.

Downloads

Publicado

29-07-2021 — Atualizado em 30-07-2021

Versões

Como Citar

Andreoli, G. S. (2021). Por um conceito de danças negras. Arte Da Cena (Art on Stage), 7(1), 6–36. https://doi.org/10.5216/ac.v7i1.64256 (Original work published 29º de julho de 2021)

Edição

Seção

Dossiê Temático - Eixo 1: Manifestos Descentrados