MODOS DE VIDA QUEER

O corpo e a performatividade como estratégias de resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v6i1.63285

Resumo

A presente pesquisa busca provocar o pensamento em torno do corpo e da sexualidade a partir da noção de performatividade e do surgimento de modos de vida queer. A partir das imagens dos agenciamentos do corpo de um performer é possível refletir sobre possíveis enfrentamentos micropolíticos que contestam as categorias de sexo e gênero e, sobretudo, buscam romper com as relações naturalizadas socialmente entre o corpo, o gênero, o sexo e a sexualidade em contextos homossexuais. Assim, pretende-se refletir sobre os modos de vida criados e inventados a partir das multidões queer na medida em que colocam em evidência seus traços, fluxos, devires e desejos desterritorializando processos de subjetivação das minorias, dos seres abjetos. Portanto, podemos pensar na força e no potencial micropolítico que a construção desses modos de vida pode engendrar a partir de uma posição consciente, afirmativa e produtiva da sexualidade. Trata-se, portanto, de assumir modos de vida homossexuais como ferramentas de uma grande maquinaria desejante que não se contenta com as formas instituídas de experimentar e viver a sexualidade, afirmando-se na própria diferença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Rodrigues, Instituto Federal de Goiás, Aparecida de Goiânia, Goiás, Brasil.

Docente do curso de Licenciatura em Dança do Instituto Federal de Goiás – Campus Aparecida de Goiânia. Mestre em Performances Culturais pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás.

Downloads

Publicado

2020-07-25

Como Citar

RODRIGUES, R. MODOS DE VIDA QUEER: O corpo e a performatividade como estratégias de resistência. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 6, n. 1, 2020. DOI: 10.5216/ac.v6i1.63285. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/63285. Acesso em: 16 jun. 2024.