Rotas e Desvios: mulheres artistas, leitura selvagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/v.v20.71312

Palavras-chave:

artistas mulheres, matriarcado de Pindorama, relato de viagem

Resumo

Esse artigo é um experimento de ficção acadêmica. Texto como percurso propositivo e imaginário que passa, entre outras reflexões, por quatro obras de quatro artistas brasileiras: Maria Martins, Rosangela Rennó, Ventura Profana, Djanira da Motta e Silva. O que acontece quando olhamos para essas obras como se elas fossem, de alguma forma, um fragmento de imagem/relato possível de/sobre Pindorama? Estamos em busca de imagens-relatos-ações que possam compor diferentes perspectivas desta Terra de Palmeiras. A partir daí, seguimos pela rota inventada onde convivem, como métodos, o desvio no tempo e a leitura selvagem: anacronismo nas datas distantes do séc. XVI e escrita como deslocamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ludmilla Alves Carneiro de Lima, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, Distrito Federal, Brasil, ludzilla@gmail.com

Ludmilla Alves. Taguatinga/DF, 1987. Artista, escritora, pesquisadora. Trabalha com pintura, poemas, fotografia, intervenções, proposições e desvios/cruzamentos dessas práticas, com foco no pictórico. Sua pesquisa transita por transformações da matéria; gestos, natureza e decolonialidade; ficções e experiências com o tempo. Bacharel em Comunicação Social. Mestre e doutora em Artes Visuais pela Universidade de Brasília, com a dissertação “Noite Oblíqua” (2016) e a tese “Rotas, Raízes e Devorações – re-voltar a pintura e outras histórias selvagens” (2021). Expõe e publica regularmente desde 2013.

Referências

ANDRADE, Mário. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. São Paulo: Ubu editora, 2017.

ANDRADE, Oswald. Manifesto antropófago e outros textos. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2017.

ARTISTAS VIAJANTES. Verbete da Enciclopédia. 2023. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. São Paulo: Itaú Cultural, 2023. [n. p.]. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo3778/artistas-viajantes. Acesso em: 16 fev. 2023.

AZEVEDO, Beatriz; FRANCIS, Laura. Será esse o futuro do século XXI?. Das Questões, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 109-130, 2021. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/dasquestoes/article/view/37258. Acesso em: 13 dez. 2021.

BANIWA, Denilson; LAGNADO, Lisette. A mátria e o estado piromaníaco. Curso Encontros Cápsula, n. 2. Galeria Jaqueline Martins. São Paulo, 22 maio 2021.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CABRAL, Joana de Oliveira. Vegetar o pensamento: manifesto e hesitação. In: CABRAL, Joana de Oliveira et. al (orgs.). Vozes Vegetais: diversidade, resistências e histórias da floresta. São Paulo: Ubu editora, 2020, p. 11-12.

CASCUDO, Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Melhoramentos, 1980.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

CANTON, Katia. Maria Martins: a mulher perdeu sua sombra. XXIV Bienal de São Paulo: núcleo histórico: antropofagia e histórias de canibalismos. In: HERKENHOFF, Paulo (org.) XXIV Bienal de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1998. p. 288-301.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Levantes. São Paulo: Edições Sesc, 2017.

GODDARD, Jean-Chistophe. Brazuca, negão e sebento. São Paulo: n-1 edições, 2017.

INSTITUTO MOREIRA SALLES. Ventura Profana. Sonda. Colagem Digital. [S. l.], [s.v.], [s. n.], [n. p.], 2020. Disponível em: https://ims.com.br/convida/ventura-profana/ Acesso em: 16 fev. 2023.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LISPECTOR, Clarice. Entrevistas: Maria Martins. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

LUISELLI, Valeria. Arquivo das crianças perdidas. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MAIZZA, Fabiana. Especulações sobre pupunheiras ou cuidar com parentes-planta. In: CABRAL, Joana de Oliveira et.al (orgs.). Vozes Vegetais: diversidade, resistências e histórias da floresta. São Paulo: Ubu Editora, 2020. p. 213-227.

MARTINS, Maria. Não te esqueças nunca que eu venho dos trópicos. Escultura. [S. l.], [s. v.], [s. n.], [n. p.], 1942. Disponível em: https://www.artequeacontece.com.br/masp-abre-exposicao-de-mariamartins/. Acesso em: 16 fev. 2023.

MOMBAÇA, Jota; SILVA, Denise Ferreira da; RIBEIRO, Anti. Opera infinita: chapter 0: has the fire read the stories it burnt? The Contemporary Journal, [S. l.], [s. v.], n. 3, [n. p.], May 04, 2021. Disponível em: https://thecontemporaryjournal.org/strands/sonic-continuum/opera-infinita-chapter-0-has-the-fire-read-the-stories-it-burnt. Acesso em: 20 jan. 2023.

MOTTA E SILVA, Djanira da. Onírico. Pintura. Exposição Jaime Acioli - MASP, São Paulo, [s. v.], [s. n.], [n. p.], 1950. Disponível em: https://masp.org.br/exposicoes/djanira-a-memoria-de-seu-povo. Acesso em: 16 fev. 2023.

PLATAFORMA VIDEOBRASIL. Memórias Inapagáveis. Depoimento da artista Rosângela Rennó na exposição Memórias Inapagáveis – um olhar histórico no acervo videobrasil. [S. l.], [s. v.], [s. n.], [n. p.], ago. 2014. Disponível em: http://plataforma.videobrasil.org.br/#veracruz. Acesso em: 18 jan. 2023.

RENNÓ, Rosângela. Vera Cruz. Vídeo. [S. l.], [s. v.], [s. n.], [n. p.], 2000. Disponível em: http://plataforma.videobrasil.org.br/#veracruz. Acesso em: 16 fev. 2023.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo, a afirmação das epistemologias do sul. São Paulo: Autêntica, 2019.

TAVARES, Gonçalo M. Breves notas sobre as ligações (Llansol, Molder e Zambrano). Lisboa: Relógio D’água Editores, 2009.

Downloads

Publicado

2023-06-08

Como Citar

ALVES CARNEIRO DE LIMA, L. Rotas e Desvios: mulheres artistas, leitura selvagem. Visualidades, Goiânia, v. 20, 2023. DOI: 10.5216/v.v20.71312. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/71312. Acesso em: 25 maio. 2024.