Poéticas do degredo no jogo do ator na Belair Filmes

Autores

  • Sandro de Oliveira Universidade Estadual de Goiás (UEG), Instituto Acadêmico de Ciências Sociais Aplicadas (IACSA), Goiânia, Goiás, Brasil, nagysandro1@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-5717-8991

DOI:

https://doi.org/10.5216/v.v20.71177

Palavras-chave:

Ator cinematográfico, Desdramatização, Degredo

Resumo

Em parte da produção cinematográfica brasileira, entre o imediatamente pós-AI-5 e até meados dos anos de 1970, uma série de filmes trataram da impossibilidade da existência de um horizonte de libertação social e política através do que este trabalho chama de poéticas do degredo. Através dessas vagâncias por ruas, becos, lixões e estradas, os personagens da Belair Filmes traçaram um processo de desdramatização no espaço cênico, que se tornou procedimento estilístico marcante no jogo do ator (pós-)tropicalista e marginal do cinema brasileiro logo após o “segundo golpe”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro de Oliveira, Universidade Estadual de Goiás (UEG), Instituto Acadêmico de Ciências Sociais Aplicadas (IACSA), Goiânia, Goiás, Brasil, nagysandro1@gmail.com

Unidade Universitária Goiânia - Laranjeiras da UEG, Curso de Comunicação Social - Audiovisual, História do cinema, História do cinema brasileiro e LInguagens Audiovisuais.

Referências

ARAÚJO, Inácio. No meio da tempestade. In: PUPPO, Eugênio (org.). Cinema Marginal Brasileiro e Suas Fronteiras. São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil, 2004. p. 27-28.

ASLAN, Odete. O ator no século XX: Evolução da técnica/problema da ética. São Paulo: Perspectiva, 1994. (Coleção Estudos, n. 119).

AVELLAR, José Carlos. Vozes do medo. In: AVELLAR, José Carlos. O cinema dilacerado. Rio de Janeiro: Alhambra, 1986. p. 82-111.

BAZIN, André. Defesa de Rossellini. In: BAZIN, André. O cinema: Ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 308-317.

BERG, Stephen. Helena Ignez: portrait. In: FESTIVAL International de Films de Fribourg: 12-19 mars 2006. Fribourg, Suisse: Association du Festival International de Films de Fribourg, 2006. p. 90-99.

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz. A encenação no cinema. Campinas, SP: Papirus, 2008.

BRANCO, Edwar de Alencar Castelo; SOUSA, Renata Flávia de Oliveira. A cidade que abraça: atravessamentos e caminhadas em filmes experimentais. In: BRANCO, Edwar de Alencar Castelo (org.). História, Cinema e outras imagens juvenis. Teresina: EDUFPI, 2009. p.135-142.

CAETANO, Maria do Rosário. Alguma solidão e muitas histórias: a trajetória de um cineasta brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2005. (Série Cinema 2).

DIAS, Rosa. A família do barulho na Belair de Júlio Bressane. In: MASSENO, André; BARROS, Tiago. Filosofia e Cultura Brasileira. Rio de Janeiro: Quintal Rio Produções Artísticas, 2012. p. 98-105.

FERREIRA, Jairo. Cinema de invenção. São Paulo: Limiar, 2000.

GARCIA, Estevão de Pinho. Belair e CAM: produtoras experimentais no Brasil e na Argentina. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE LA ASOCIACIÓN ARGENTINA DE

ESTUDIOS DE CINE Y AUDIOVISUAL, 4., Rosario, Argentina, 2015. Actas […]. Buenos Aires: ASAECA, 2015. p. 591-597.

GARDNIER, Ruy. As experiências da Belair: exceção ou regra. Sobre Belair e Cinema

marginal. Por enquanto. In: CINEMATECA DO MAM; TELA BRASILIS (org.). A invenção do cinema marginal. Rio de Janeiro: Cinemateca do Museu de Arte Moderna-RJ: Associação Cultural Tela Brasilis, 2007. p. 34-39.

GUIMARÃES, Pedro; OLIVEIRA, Sandro de. Helena Ignez – Atriz experimental. São Paulo: Edições Sesc, 2021.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Impressões de viagem. CPC, vanguarda e desbunde: 1960-1970. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

LEHMANN, Hans-Thies. Postdramatic theatre. Abingdon: Routledge, 2006.

MACHADO JÚNIOR, Rubens. Uma São Paulo de revestrés: Sobre a cosmologia varziana de Candeias. Revista Significação, São Paulo, v. 34, n. 28, p.111-131, 2007. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/significacao/article/view/90563/93316. Acesso em: 23 nov. 2022.

MEKAS, Jonas. Notas sobre o novo cinema americano. In: DIXON, Wheeler Winston; FOSTER, Gwendolyn Audrey (ed.). Experimental cinema, the film reader. London, England: Routledge, 2002. p. 54-70.

MITRY, Jean. Le cinema expérimental: histoire et perspectives. Paris, France: Editions Seghers, 1974.

OLIVEIRA, Sandro de. Helena Ignez: atuação experimental na Belair Filmes. 2019. 405 f. Tese (Doutorado em Multimeios) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2019.

RAMOS, Fernão. Cinema marginal (1968/ 1973): A representação em seu limite. São Paulo: Minc: Brasiliense, 1987.

RAMOS, Fernão. Cinema Verdade no Brasil. In: TEIXEIRA, Francisco E. (org.) Documentário no Brasil: tradição e transformação. São Paulo: Summus, 2004. p. 81-96.

REMIER. Ivan Cardoso: O mestre do terrir. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008. (Coleção Aplauso – Cinema Brasil).

ROCHA, Glauber. Revolução do cinema novo. Rio de Janeiro: Alhambra: Embrafilme, 1981.

TEIXEIRA, Francisco E. O cineasta celerado. A arte de se ver fora de si no cinema poético de Júlio Bressane. São Paulo: Annablume, 2011.

UCHÔA, Fábio R. Cidade e deambulação nos filmes de Ozualdo Candeias. 2008. 250 f. Dissertação (Mestrado em Estudo dos Meios e da Produção Mediática) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

VOBOROW, Bernardo; ADRIANO, Carlos. Júlio Bressane: Cinepoética. São Paulo: Massao Ohno, 1995.

XAVIER, Ismail. Alegorias do subdesenvolvimento: Cinema novo, tropicalismo e cinema marginal. São Paulo: Brasiliense, 1993.

XAVIER, Ismail. O cinema marginal revisitado, ou o avesso dos anos 90. In: PUPPO, Eugênio (ed. e org.). Cinema marginal brasileiro e suas fronteiras: Filmes produzidos nos anos 60 e 70. 2. ed. São Paulo: Heco Produções: Centro Cultural Banco do Brasil, 2004. p. 23-27.

Referências filmográficas

A FAMÍLIA do barulho. Direção: Júlio Bressane. Produção: Júlio Bressane; Rogério Sganzerla. Rio de Janeiro: Belair Filmes; TB Produções Ltda, 2017. 1 arquivo mkv (60 min), son., p. & b.

COPACABANA, mon amour. Direção: Rogério Sganzerla. Produção: Mercúrio Produções Ltda.; Belair Filmes; Rogério Sganzerla Produções Cinematográficas; Júlio Bressane; Rogério Sganzerla. [S. l.: s. n.], 2011. 1 arquivo AVI (61 min), son., cor.

CUIDADO, Madame. Direção: Júlio Bressane. Produção Belair Filmes; TB Produções Ltda; Júlio Bressane; Rogério Sganzerla. [S. l.: s. n.], 2015. 1 arquivo MPEG-4 movie (71 min), son., cor.

O DESAFIO. Direção: Paulo César Saraceni. Produção: Produções Cinematográficas Imago Ltda.; Mapa Filmes; Mário Fiorano; DiFilm – Distribuidora e Produção de Filmes Brasileiros Ltda.; Distribuidora de Filmes Urânio Ltda. [S. l.: s. n.], 2015. 1 arquivo MKV (94 min), son., p. & b.

SEM essa, Aranha. Direção: Rogério Sganzerla. Produção: Embrafilme; Belair Filmes; Júlio Bressane; Rogério Sganzerla. [S. l.: s. n.], 2015. 1 arquivo MPEG-4 Movie (92 min), son., cor.

VIDAS secas. Direção: Nelson Pereira dos Santos. Produção: Herbert Richers; Luis Carlos Barreto; Danilo Trelles. [S. l.: s. n.], 2020. MPEG-4 Movie (94 min.), son., p&b.

Downloads

Publicado

2023-03-08

Como Citar

DE OLIVEIRA, S. Poéticas do degredo no jogo do ator na Belair Filmes. Visualidades, Goiânia, v. 20, 2023. DOI: 10.5216/v.v20.71177. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/71177. Acesso em: 27 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Estéticas das viagens