O artista como cartógrafo de si: notas sobre o relato como ferramenta legitimadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/v.v19.59379

Palavras-chave:

artista errante, mapa, relato

Resumo

O artigo trata de explicar o conceito de “artista errante” em um mundo que exige produção constante e adaptação às exigências do sistema da arte, e como o relato do artista, errante ou não, se manifesta em nossos dias como ferramenta cartográfica legitimadora, que marca o artista no mapa e facilita a leitura de seu trabalho. Para isto, levantou-se algumas metáforas sobre o mapa, a prática artística e alguns exemplos de discursos de artistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sofia Porto Bauchwitz, Universidad Complutense de Madrid (UCM), Madrid, Espanha, sofiabauchwitz@gmail.com

É doutora em Belas Artes pela Universidad Complutense de Madrid, sob orientação do Dr. José María Parreño, com a tese "El Artista Errante y El Discurso como Cartografía en un contexto hispano-brasileño (2017), financiada com bolsa de Doutorado Pleno da CAPES. Realizou o mestrado em Pesquisa em Arte e Criação (2013) na mesma instituição com orientação final do Prof. Dr. Ricardo Horcajada. Sua pesquisa atual gira em torno das não-identidades e no inefável nas práticas artísticas contemporânea. Seu interesse artístico e acadêmico perpassa noções de espaço, memória e ficções polifônicas.

Referências

AGAMBEN, Giorgio (2002). Lo que queda de Auschwitz. El archivo y el testigo. Valencia: Pre-Textos.

AGAMBEN, Giorgio (2007). Infancia e historia. Buenos Aires: Adriana Hidalgo.

ANZALDÚA, Gloria (1981). “Speaking In Tongues: A Letter To 3rd World Women Writers”. Em: ANZALDÚA, Gloria; MORAGA, Cherrie (eds.) (1981). This bridge called my back: writings by radical women of color. Nueva York: Kitchen Table: Women of Color Press

ATIENZA, Loreto A. (2009) Una producción cultural distraída, desobediente, en precario e invertebrada: análisis de algunas prácticas artísticas en la actualidad. (Tesis Doctoral). Madrid: Universidad Complutense de Madrid.

BENJAMIN, Walter (1995). Obras escolhidas. Volume II. São Paulo: Brasiliense.

BORRIAUD, Nicolas (2009). Radicante. Buenos Aires: Adriana Hidalgo Editora.

BRAGA, Elen, [correspondência pessoal], Destinatário: Sofia Bauchwitz, Madrid, 2016, e-mail.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix (2004). Mil Mesetas: Capitalismo e esquizofrenia. Valencia: Pre-textos.

DELEUZE, Gilles (1998). “Uma Conversa, O Que é, Para Que Serve?”. Em: DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire (1998) Diálogos. São Paulo: Escuta.

FELMAN, Shoshana (1993). What does a woman want? Reading and sexual difference. Londres: Johns Hopkins Press.

FOSTER, Hal (2005). “O artista como etnógrafo”. Em: Revista Marte, n. 1. 2005 (pp. 10-40)

HARVEY, David (2004). “Space as a key Word”. Em: Marx and Philosophy Conference. Londres: Institute of Education. Disponivel em: <http://frontdeskapparatus.com/files/harvey2004.pdf> Acesso em 08.12.2019

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.

KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. (2009). “Cartografiar é acompanhar processos”. Em: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. (orgs.) (2009). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina.

MOMBAÇA, Jota, [correspondência pessoal], Destinatário: Sofia Bauchwitz, Madrid, 2016, e-mail.

OSTROWER, Fayga (1996). Universos da Arte. Rio de Janeiro: Editora Campus .

PARREÑO, José María (2006). Un Arte descontento: arte, compromiso y crítica cultural en el cambio de siglo. Murcia: Centro de Documentación y Estudios Avanzados de Arte Contemporáneo.

PRADO, Adélia (1981). Terra de Santa Cruz. 2ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

Rudolf Steiner, The Kingdom of Childhood. Introductory Talks on Waldorf Education Anthroposophic Press, 1995

VELEZ, Ana, [correspondência pessoal], Destinatário: Sofia Bauchwitz, Madrid, 2016, e-mail.

VENTAPANE, Leonardo (2013). “O explorador, o artista e os territórios de impermanência”. Em: Arte & ensaios: revista do ppgav/eba/ufrj, n. 27. Rio de Janeiro: EBA – UFRJ. 2013 (pp.163-171)

Downloads

Publicado

2022-05-04

Como Citar

BAUCHWITZ, S. P. O artista como cartógrafo de si: notas sobre o relato como ferramenta legitimadora. Visualidades, Goiânia, v. 19, 2022. DOI: 10.5216/v.v19.59379. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/59379. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos