Tiana, a primeira princesa negra da Disney: olhares analíticos construídos juntos à cultura visual

Autores

  • João Paulo Baliscei Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • Geiva Carolina Calsa Universidade Estadual de Maringá
  • Vinícius Stein Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v15i2.44123

Palavras-chave:

Estudos culturais, cultura visual, infância.

Resumo

Este trabalho discute os estereótipos raciais reproduzidos pela Disney, que tem como público-alvo o infantil e grande repercussão entre as crianças brasileiras. Para isso, realizamos uma pesquisa bibliográfica a partir dos Estudos Culturais e da Cultura Visual. Discutimos sobre cenas selecionadas do desenho animado A Princesa e o Sapo (2009). Concluímos que, embora haja um avanço na abordagem das relações inter-raciais com a criação de protagonistas negros/as, o filme analisado ainda valoriza estereótipos, uma vez que alguns aspectos contribuem para a marginalização e abjeção de personagens negros/as.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Baliscei, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Possui graduação em Artes Visuais pelo Centro Universitário de Maringá (2009); especialização em Arte-Educação (2010) e Educação Especial (2011) pelo Instituto de Estudos Avançados e Pós-Graduação; e Mestrado em Educação (2014) pela Universidade Estadual de Maringá. Atualmente é professor no curso de Artes Visuais na Universidade Estadual de Maringá e doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação da referida instituição. É membro do GEPAC - Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia, Aprendizagem e Cultura - e desenvolve pesquisas sobre Pedagogias Culturais, Cultura Visual, Ensino de Arte e Multiculturalismo.

Geiva Carolina Calsa, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Atualmente é professora adjunto da Universidade Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Conceitos, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura, educação, representações sociais, ensino-aprendizagem, construtivismo e intervenção pedagógica.

Vinícius Stein, Universidade Estadual de Maringá

Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (2016). Integra o Grupo de Pesquisa e Estudos em Educação Infantil - GEEI. É professor da Universidade Estadual de Maringá. Pesquisa sobre ensino de Arte na educação escolar e Educação Estética.

Referências

A PRINCESA e o sapo. Direção: Ron Clements, John Musker. Estados Unidos: Walt Disney Pictures, 2009. 1 DVD (97 min), son., color, dublado. Título original: The Princess and the frog.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução Dora Fraksman. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

BALISCEI, João Paulo; CALSA, Geiva Carolina; STEIN, Vinícius. “(In)felizes para sempre”? Imagens da Disney e a manutenção da heteronormatividade. Revista Bagoas: estudos gays, gênero e sexualidades, Natal, v. 10, n.14, p. 163-180, jan./jun. 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/11451>. Acesso em: 03 mar. 2017.

______; STEIN, Vinícius; BACHETTI, Bruna. Dicotomias nas narrativas Disney: (Des)estabilizações presentes no filme Divertida Mente (2015). Revista Contemporâneos, v.17, nov. 2017/maio. 2018, 2017, no prelo.

CECHIN, Michelle Bregnera Cruz. O que se aprende com as princesas da Disney? Revista Zero-a-seis, Florianópolis, v. 1, n. 29, p. 131-147, jan./jul. 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2014n29p131>. Acesso em: 10 jan. 2016.

CUNHA, Susana Rangel Vieira da. As Transformações da Imagem na Literatura Infantil. In: PILLAR, Alice Dutra (Org.). A educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre: Mediação, 2011. p.129-141.

______. Imagens na Educação Infantil como Pedagogias Culturais. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene (Org.). Pedagogias culturais. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2014. p.199-224.

FARINA, Modesto; PEREZ, Clotilde; BASTOS, Dorinho. Psicodinâmica das Cores em Comunicação. São Paulo: Edgard Blücher, 2006.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GIROUX, Henry. Os filmes da Disney são bons para seus filhos? In: STEINBERG, Shirley R.; KINCHELOE, Joe L. (Org.). Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Tradução George Eduardo Japiassú Bricio. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 89-108.

______. Memória e pedagogia no maravilhoso mundo da Disney. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. p. 129-154.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 103-133.

HERNÁNDEZ, Fernando. Catadores da cultura visual: transformando fragmentos em nova narrativa educacional. Tradução Ana Duarte. Porto Alegre: Mediação, 2007.

IGLESIAS, Matías López; ZAMORA, Marta de Miguel. La fémina Disney: análisis y evolución del personaje feminino en cuatro películas de la factoría Disney. Revista Sociedad y Economía, Cali, n.24, p.121-142, jan./jun. 2013. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=99629534006>. Acesso em: 11 abr. 2016.

MOMO, Mariângela. Condições culturais contemporâneas na produção de uma infância: o pós-moderno que vai à escola. In: 30ª reunião da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPED, Caxambu, 2008. Disponível em: <http://www.anped.org.br/reunioes/31ra/trabalhos>. Acesso em: 19 fev. 2015.

NUNES, Luciana Borre. As Imagens que Invadem as Salas de Aula: Reflexões sobre Cultura Visual. 1. ed. São Paulo: Ideias & Letras, 2010.

PILLAR, Analice Dutra. Criança e televisão: leitura de imagens. Porto Alegre: Mediação, 2001.

SABAT, Ruth. Filmes infantis e a produção performativa da heterossexualidade. 2003. 185 f. Tese (Doutorado em Educação) - Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educ. Soc., Campinas, v. 26, n. 91, p. 361-378, maio/ago. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302005000200003&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 10 jan. 2016.

SCOTT, Rebecca. O Trabalho Escravo Contemporâneo e os Usos da História. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 5, n. 9, p. 129-137, 2013. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/index>. Acesso em: 6 de abril de 2016.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2006.

STEINBERG, Shirley R.; KINCHELOE, Joe. Sem segredos: cultura infantil, saturação de informações e infância pós-moderna. In: ______ (Org.). Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 9-52.

WAGNER, Irmo; SOMMER, Luis. Henrique. Mídia e pedagogias culturais. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA ULBRA, X, 2007, Guaíba, Rio Grande do Sul. Anais... Canoas, Rio Grande do Sul: Ulbra, 2007.

WORTMANN, Mara Lúcia Castagna. Dos riscos e dos ganhos de transitar nas fronteiras dos saberes. In: COSTA, Marisa Vorraber; BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Caminhos investigativos III: riscos e possibilidades de pesquisar nas fronteiras. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 45-67.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

BALISCEI, J. P.; CALSA, G. C.; STEIN, V. Tiana, a primeira princesa negra da Disney: olhares analíticos construídos juntos à cultura visual. Visualidades, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 137–162, 2017. DOI: 10.5216/vis.v15i2.44123. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/44123. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos