Lygia Pape: tudo o homem devora

Autores

  • Divino Sobral UFG

Resumo

 A obra de Lygia Pape (Nova Friburgo-RJ, 1929 – Rio de Janeiro-RJ, 2004) atravessou toda a segunda metade do século XX e constituiu-se como referencial na formação da arte contemporânea brasileira.

Iniciada nos anos de 1950, seguiu caminhos inesperados pesquisando diferentes possibilidades de constituição para o trabalho artístico, agregando procedimentos, materiais, linguagens e sentidos os mais diversos. Apaixonada por filosofia e especialmente pelo filósofo grego Heráclito, a artista dialogou com as transformações que os tempos foram lhe apresentando, e atenta às descobertas desenvolveu gravura, escultura, objeto, livro do artista, fotografia, instalação, cinema de artista e propostas coletivas, encadeando todos estes trabalhos numa teia em que cada filamento encontra–se conectado ao outro. (...)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-03-01

Como Citar

SOBRAL, D. Lygia Pape: tudo o homem devora. Visualidades, Goiânia, v. 2, n. 1, 2016. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/40030. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Entrevista