Algumas demonstrações para introduzir a arte da performance

Autores

  • Carina Sehn Universidade de Caxias do Sul
  • Paola Zordan UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v14i2.38552

Resumo

O texto traz algumas noções relativas à performance a partir de exemplos, alguns bastante conhecidos do público especializado, para introduzir questões básicas em torno desse tipo de manifestação, apresentando célebres obras performáticas. Pressupondo que a performance ainda não seja uma arte familiar para a maior parte das pessoas, uma breve história de suas origens e marcos principais é traçada. A intenção é mostrar como se constitui essa arte, suas relações com as intensidades do corpo e o porquê da performance ser considerada “arte viva” e não de representação.

Palavras-chave: Arte viva, história da performance, presença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina Sehn, Universidade de Caxias do Sul

Carina Sehn é mestre em Educação, Bacharel em Teatro e Especialista em Saúde Mental Coletiva. Professora do Departamento de Dança da Universidade de Caxias do Sul, pesquisa o corpo performático, a imagem e os processos vivos da natureza.

Paola Zordan, UFRGS

Paola Zordan é Doutora e Mestre em Educação, Bacharel em Desenho e Licenciada em Educação Artística. Professora do Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, pesquisa epistemologia das artes e historiografia do corpo. Na mesma instituição é professora do Programa de Pós-graduação em Educação, PPGEDU/UFRGS.

Referências

ABRAMOVIC, Marina. In Abramovic Method. Disponível em: <http://www.marinaabramovicinstitute.org/mission/the-abramovic-method > Acesso em: 05/09/2015.

AUSLANDER, Philip. The Performativity of Performance Documentation. In

Performing Arts Journal n.84, 2006, p.1-10. Em: Performatus, São Paulo, Ano 2 Nº7 Nov/2013. ISSN 2316-8102. Disponível em: http://performatus.net/perf-doc-perf > Acesso em: 05/09/2015.

BERGSON, Henri. Matéria e Memória. Trad. Paulo Neves da Silva. São Paulo: Editora Martin Fontes, 1990, p.09.

CARLSON, Marvin. Introdução crítica aos Estudos da Performance. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010, p.12.

COHEN, Renato. Performance como Linguagem. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002, p.66,97.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Trad. Peter Pal Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992, p.143.

DELEUZE, Gilles. Cinema II - Imagem-Tempo. Trad. Eloisa de Araujo Ribeiro. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990, p 62.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs Vol.5. 2ª Edição. São Paulo: Editora 34, 1997, p.25.

DELEUZE, Gilles. A Ilha Deserta. Org. e Trad. Luiz Orlandi. São Paulo: Iluminuras, 2006, p.177.

GLUSBERG, Jorge. A Arte da Performance. 2ª Edição. São Paulo: Perspectiva, 2011, p.65,100,118,124.

GOLDBERG, RoseLee. A Arte da Performance. Do Futurismo ao Presente. Trad. Percival Panzoldo de Carvalho. São Paulo: Martins Fontes, 2006, p.116,118,135.

GOMPERTZ, Will. Isto é Arte?:150 anos de arte moderna do impressionismo até hoje. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2013, p.330,331,335,337.

GUATTARI, Félix. Caosmose. Trad. Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Editora 34, 2012, p.127.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

REVISTA DAS ARTES. Rio de Janeiro: Editora O Selo. Ano 5 N.30, Bimestral, Out/Nov 2013.

SCHECHNER, Richard. O que é performance? Em Performance studies: an introducción, second edition. New York & London: Routledge, 2006, s/p.

Downloads

Publicado

2017-02-01

Como Citar

SEHN, C.; ZORDAN, P. Algumas demonstrações para introduzir a arte da performance. Visualidades, Goiânia, v. 14, n. 2, 2017. DOI: 10.5216/vis.v14i2.38552. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/38552. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos