O contradiscurso cultural das periferias de Lisboa

Autores

  • Luana Loria (UFSC, Brasil) Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v14i1.34690

Resumo

Observa-se as periferias urbanas de Lisboa como espaço de expressão de um contradiscurso contemporâneo com respeito ao imaginário simbólico e cultural nacional de Portugal. A música, como produção dos moradores das áreas periféricas, nomeadamente o rap, e o cinema contemporâneo, como meio de representação desses lugares, contribuem para o descentramento do imaginário nacional e a desconstrução da portugalidade, mostrando as mudanças da fisionomia social e cultural do país nas últimas décadas. Para abordar esta questão, o faremos a partir das discussões de alguns teóricos como Stuart Hall e Rogério Haesbaert, que refletiram respectivamente sobre o tema da diáspora e sobre o conceito de reterritorialização.

Palavras-chave: Contradiscurso, periferia, espaço pós-moderno


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Loria (UFSC, Brasil), Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda na Universidade Federal de Santa Catarina (Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas); Bolsista do programa Fellow Mundus. Mestrado em “Crossways in Cultural Narratives” (Erasmus Master Mundus) pelas Universidade de Santiago de Compostela, Espanha, Universidade Nova de Lisboa, Portugal e Universidade de Sheffield, Inglaterra. Graduação em Línguas, Literaturas e Estudos interculturais, com especialização em Língua Portuguesa e Culturas de Países de Língua Portuguesa, pela Universidade De Firenze, Itália.

 

Orientanda da Professora Maria Bernadete Ramos Flores (UFSC-CFH)

Endereço: Servidão Sac-Soc Amigos do Campeche, 414, Santa Catarina, Florianópolis.

Email:luanda@hotmail.it


Referências

BAPTISTA, Tiago. A Invenção do Cinema Português. Lisboa: Tinta da China, 2008.

BAPTISTA, Tiago. Depois do Cinema Português. Cinema em Português. Covilhã, Livros

LabCom, p.520, 2011.

BHABHA, Homi. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

CONTADOR, António Concorda. Cultura Juvenil Negra em Portugal. Oeiras: Celta Editora,

COSTA, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 1ª ed. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 2004.

COSTA, Sérgio. Dois Atlânticos. Teoria social, antiracismo, cosmopolitismo. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2006.

CIPRIANO, Miguel. Identidade e Descentramento em Pedro Costa. Novas e Velhas Tendências no Cinema Português Contemporâneo. Lisboa: Arte e Media. p. 481-484, 2012.

DE SOUZA, Angela Maria. A Caminhada é longa... e o Chão tão liso: o movimento hip hop

em Florianópolis e Lisboa. Florianópolis: UFSC, 2009.

DERRIDA, Jacques. Of Grammatology. Tradução Gayatri Spivak. Baltimore, MD: Johns

Hopkins University Press, 1974.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência, São Paulo, Rio de

Janeiro, 34/Universidade Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos, 2001.

HALL, Stuart. A Identidade na Pós.modernidade. Rio de Janeiro:DP&A,2011.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. 2ª ed. Belo Horizonte: Ed. da UFMG? Brasília: UNESCO, 2013.

HARVEY, David. The Condition of Postmodernity. Oxford: Blackwell, 1989.

HOBSBAWM, Eric? RANGER. Terence. The Invention of Tradition. Cambridge: Cambridge

University Press, 1983.

NO QUARTO de Vanda. Produção Pedro Costa. Lisboa: Criterion. 2010. CD.

OSSOS. Produção Pedro Costa. Lisboa: Criterion. 2010. CD.

RANCIÈRE, Jacques. O que significa estética. Ymago project. 2011 http://cargocollective.com/ymago/Ranciere-Tutti

SANTIAGO, Silvano. Uma literatura nos Trópicos. São Paulo: Editora Perspectiva, 1971.

SANTOS, Milton. O retorno do território. Observatorio Social de América Latina. Ano 6,

n.16. Buenos Aires : CLACSO, p. 251261, jan./abr. 2005.

SHOHAT, Ella? STAM, Robert. Crítica da imagem eurocêntrica. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

JUVENTUDE em Marcha. Produção Pedro Costa. Lisboa: Criterion. 2010. CD.

ZONA J. Produção de Leonel Vieira Lisboa: MGN FILMES. 2010. CD.

Downloads

Publicado

2016-09-05

Como Citar

LORIA (UFSC, BRASIL), L. O contradiscurso cultural das periferias de Lisboa. Visualidades, Goiânia, v. 14, n. 1, 2016. DOI: 10.5216/vis.v14i1.34690. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/34690. Acesso em: 22 jul. 2024.