3x4: fotografia de prisão contemporânea e as representações do corpo encarcerado em duas prisões femininas de Moçambique

Autores

  • Camila Maissune Martins Abranches de Sousa Universidade Federal de Goiás
  • Rosana Horio Monteiro Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v13i1.34182

Resumo

No presente artigo discutimos os modos de representação do corpo encarcerado, através da fotografia contemporânea, buscando compreender como tais representações têm dialogado com os atuais sistemas de punição prisional e, consequentemente, impulsionado uma série de discussões relativas à autoridade e ética fotográficas. Em diálogo com as visualidades prisionais do século XIX, e orientando-nos pelo conceito de performatividade fotográfica, exploramos as potencialidades interpretativas que a fotografia oferece em relação ao corpo prisional, tomando como ponto de partida algumas das imagens que compõem o projeto fotográfico 3x4, realizado em duas prisões femininas de Moçambique, em 2011.

 

Palavras-chave:fotografia, prisão, corpo

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Maissune Martins Abranches de Sousa, Universidade Federal de Goiás

Camila de Sousa (Moçambique), graduada em ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC-2007), com um enfoque para Antropologia Visual, tem vindo a aprofundar o os seus conhecimentos nas áreas de fotografia e do audiovisual e participado em vários cursos de formação em Moçambique, Brasil e Senegal.  É aluna de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual da Universidade Federal de Goiás, integrando a linha de Pesquisa Imagem, Cultura e Produção de Sentido. Interessa-se em investigar as relações fotografia, corpo e ética.

Rosana Horio Monteiro, Universidade Federal de Goiás

 

Pós-doutora em Arte e Ciência pela Universidade de Lisboa  e mestre e doutora pela  Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). É autora do livro Descobertas múltiplas. A fotografia no Brasil (1824-1833), publicado pela editora Mercado de Letras/Fapesp e tradutora de Issues in multicultural art education: A personal view, de Rachel Mason (Por uma arte-educação multicultural. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2000). Investiga principalmente os seguintes temas: imagem e ciência, teoria e história da fotografia, corpo, arte e tecnologia. Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Goiás (UFG), onde coordena o Programa de Pós-graduação em Arte e Cultura Visual.

Referências

ALMENA, C. Ficcion y fotografía en el figlo XIX. Tres usos de la ficción en la fotografía decimónica. In: IV Congreso Internacional de Historia de la Fotografia, Photomuseum, Zarautz, 2009. Disponível em: <http://eprints.ucm.es/14469/1/Ficci%C3%B3n_y_fotograf%C3%ADa_en_el_siglo_XIX.pdf>. Acesso em: 03 nov. 2014.

ARTHUR, M; MEJÍA, M. Coragem e impunidade: denúncia e tratamento da violência contra as mulheres em Moçambique. Maputo: Wilsa, 2006.

BAL, M. Visual Essentialism and the object of visual culture. Journal of Visual Culture, London, vol. 2, n.1, p. 5-32, 2003.

BROOKS, P. Prison Obscura. Prison photography. Disponível em:

<http://prisonphotography.wordpress.com>. Acesso em: 02 fev. 2013.

BUTLER, J. Bodies and power revisited. In: TAYLOR, D; VINTAGES, K. (Org.) Feminism and the Final Foucault. Board of trustees of the University of Illinois, USA, 2004. Disponível em:

. Acesso em: 04 nov. 2013.

CALLEN, A. The spectacular body. Science, method and meaning in the work of Degas. London: Yale University Press, 1995.

CARNEY, P. Crime, Punishment and the force of photographic spectacle. Sistema Penal e Violência, Porto Alegre, vol. 4, n. 2, p. 191-205, jul./dez., 2012.

CHELIOTIS, L. The ambivalent consequences of visibility: crime and prisons in the mass media. Crime, Media, Culture. vol. 6, n. 2, p. 169-184, 2010.

COURTINE, J. O Corpo anormal: história e antropologia culturais da deformidade. In: CORBINE, A; COURTINE, J; VIGARELLO, G. (Org.). 4. ed. História do Corpo, Vol. III, As mutações do olhar: século XX. Petrópolis: Editora Vozes, 2008. p. 253-340.

DAVIS, A. Are prisons obsolete? New York: Seven Stories Press, 2003.

FABRIS, A. A invenção da fotografia: repercurssões sociais. In: ______. (Org.). 2. ed. Fotografia: usos e funções no século XIX. São Paulo: Editora da USP, 2008. p. 11-39.

______. Identidades sequestradas. In: SAMAIN, E. (Org.). O Fotográfico. São Paulo: Editora Senac, 2005. p. 265-272.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. 37. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

FREELAND, C. Portraits in painting and photography. Philosophical studies: An International Journal for Philosophy in the Analytic Tradition, vol. 135, n. 1, p. 95-109, 2007.

HARAWAY, D. Situated knowledge: the science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist Studies, vol. 14, n. 3, p. 575-599, 1988.

HESFORD, W. Visual Auto/Biography, Hysteria, and the Pedagogical Performance of the “Real”. Journal of Advanced Composition, New York, vol. 20, n. 2, p. 349-389, 2000. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/20866322>. Acesso em: 09 maio 2014.

JEWKES, Y. Penal Hell-holes and Dante’s Inferno. Prison Service Journal, vol. 199, p. 20–26, jan. 2012. Disponível em: <http://www.crimeandjustice.org.uk/sites/crimeandjustice.org.uk>. Acesso em: 03 nov. 2014.

MADISON, S; HAMERA, J. Performance Studies at the Intersections. In: MADISON, S; HAMERA, J. (Org.). The Sage Handbook of Performance Studies. London: Sage Publications, 2005.

McCLINTOCK, A. Imperial leather: race, gender and sexuality in the colonial conquest. New York: Routledge, 1995.

RECHENBERG, F. Notas etnográficas sobre o retrato: repensando as práticas de documentação fotográfica em uma experiência de produção compartilhada das imagens. Cadernos de Arte e Antropologia, vol. 3, n. 2, p. 9-22, 2014.

RHODES, L. Toward and Anthropology of Prisons. Annual Review of Anthropology, vol. 30, p. 65–83, 2001.

MADUREIRA, N. A estatística do corpo: antropologia física e antropometria na alvorada do século XX. Etnográfica, vol. 7, n. 2, p. 283-303, 2003.

ROUILLÉ, A. A fotografia entre documento e arte contemporânea. São Paulo: Editora Senac, 2009.

SAMAIN, E. Quando a fotografia (já) fazia os antropólogos sonharem: o jornal La Lumiére (1851-1860). Revista de Antropologia, vol. 44, n. 2. São Paulo, 2001.

SEKULA, A. The Body and the archive. JSTOR, vol. 39, p. 3-64, 1986. Disponível em: <http://chnm.gmu.edu/courses/magic/sekula.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2013.

SILVA, V. Cultura, emoção e corporeidade. Cronos, vol. 11, n. 1, p. 338-342, 2009.

SKLAIR, J. A quarta dimensão no trabalho de Trihn T. Mihn-ha: desafios para a antropologia ou aprendendo a falar de perto. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 14/15, p. 133-143, 2006.

SUDBURY. J. Ceiling black bodies: black women in the global prison industrial complex. Feminist Review, vol. 70, 2005, p. 162-189.

TAGG, J. The burden of representation. Essays on photographies and histories. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1988.

WACQUANT, L. From slavery to mass incarceration. Rethinking the ‘race question’ in the US. New Left Review, vol. 13, p. 41-60, 2002.

Downloads

Publicado

2015-12-22

Como Citar

MARTINS ABRANCHES DE SOUSA, C. M.; MONTEIRO, R. H. 3x4: fotografia de prisão contemporânea e as representações do corpo encarcerado em duas prisões femininas de Moçambique. Visualidades, Goiânia, v. 13, n. 1, 2015. DOI: 10.5216/vis.v13i1.34182. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/34182. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos