As modelos negras na publicidade de moda no Brasil dos anos 1960 - DOI 10.5216/vis.v7i2.18190

Autores

  • Maria Claudia Bonadio

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v7i2.18190

Resumo

Neste artigo analiso como e porque, em meados dos anos 1960, a publicidade de moda da Rhodia Têxtil introduz pioneiramente modelos negras em suas campanhas veiculadas na mídia impressa (editoriais de moda, reportagens e anúncios impressos) como forma de agregar caracteres positivos às suas marcas. No período, tal inserção é uma exceção à regra, pois nas poucas vezes em que os negros apareciam na publicidade produzida no país, ocupavam frequentemente o espaço estigmatizado destinado à criadagem. Para tentar entender essa decisão, em aparente descompasso com a realidade do mercado, analiso a partir dos estudos sobre cultura visual de DUBY (1992), MAUAD (1966), BARTHES (1990); consumo e publicidade de MCCRACKEN (2003), FARIAS (2003) e FRY (2002); texto e imagem que compõem as campanhas veiculadas nas principais revistas de variedades e femininas nacionais então em circulação: Manchete, O Cruzeiro, Claudia e Jóia. Examino, ainda, porque a inserção das modelos negras em desfiles, editoriais e campanhas publicitárias no contexto da moda internacional, sobretudo nos Estados Unidos, a contar do momento em que se extingue a segregação racial, favorece a participação de modelos negras brasileiras em peças publicitárias da Rhodia Têxtil.

Palavras-chave: Modelos negras, publicidade, moda

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-04-23

Como Citar

BONADIO, M. C. As modelos negras na publicidade de moda no Brasil dos anos 1960 - DOI 10.5216/vis.v7i2.18190. Visualidades, Goiânia, v. 7, n. 2, 2012. DOI: 10.5216/vis.v7i2.18190. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/18190. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos