O Potencial agentivo da leitura de obras literárias de autoria feminina: uma experiência etnográfica no contexto escolar

Autores

  • Atauan Soares de Queiroz Universidade de Brasília/doutorando
  • Juliana de Freitas Dias Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.5216/rir.v15i4.60225

Resumo

Neste trabalho, interessa-nos refletir sobre como a escola pode possibilitar agenciamentos dos/as estudantes a partir de práticas discursivo-identitárias em aulas de Língua Portuguesa. Nosso argumento central é que as práticas discursivo-identitárias envolvendo tecnologias de gênero (literatura de autoria feminina) com potencial agentivo, que englobam, interseccionalmente, outros substratos como classe e raça, inseridas no dispositivo de formação Projeto Mulheres Inspiradoras, associam-se a experiências formativas com potencial para promover agenciamentos por parte dos/as estudantes. A análise dos dados empíricos aponta para a emergência e intensificação de três formas de agenciamento no interior da escola: em relação ao eu, ao outro e à realidade social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana de Freitas Dias, Universidade de Brasília

Departamento de Lingüística; Análise do Discurso

Downloads

Publicado

2020-02-29

Como Citar

QUEIROZ, A. S. de; DIAS, J. de F. O Potencial agentivo da leitura de obras literárias de autoria feminina: uma experiência etnográfica no contexto escolar. Itinerarius Reflectionis, Goiânia, v. 15, n. 4, p. 01–21, 2020. DOI: 10.5216/rir.v15i4.60225. Disponível em: https://revistas.ufg.br/rir/article/view/60225. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Linguística e Literatura