Quando ler é criar: princípios para planejar vivências literárias na escola

Autores

  • Marcia Lopes Duarte UNISINOS
  • Sabrina Vier

DOI:

https://doi.org/10.5216/rir.v15i4.60179

Resumo

Planejar aulas que promovam vivências literárias na escola não é tarefa fácil. Nesse cenário, muitos estudantes de Letras têm deixado de promover leituras literárias em suas andanças pela escola. Assim, este artigo visa problematizar a especificidade da leitura literária (BENVENISTE, 1989; COLOMER, 2007), em diálogo com o ato de aprender (GALLO, 2017; DELEUZE, 2003), a fim de apresentar princípios que funcionem como dispositivos para o planejamento de aulas que tenham como fim a vivência literária. De modo geral, para realizar um planejamento, é imprescindível ser leitor do texto antes de ser o professor que planeja aulas; reconhecer que cada texto oferece a sua chave de leitura; enfrentar a materialidade do texto para, por fim, promover relações de interpretância que visem à experiência estética e humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-02-29

Como Citar

DUARTE, M. L.; VIER, S. Quando ler é criar: princípios para planejar vivências literárias na escola. Itinerarius Reflectionis, Goiânia, v. 15, n. 4, p. 01–11, 2020. DOI: 10.5216/rir.v15i4.60179. Disponível em: https://revistas.ufg.br/rir/article/view/60179. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Linguística e Literatura