OFICINA DE POESIA: DE VERSO EM VERSO EU CONVERSO

Autores

  • Amanda Leal Almança de Carvalho Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí
  • Mariza Almeida Rosa Colégio Estadual Serafim de Carvalho
  • Pâmela Alves Souza Mattos Universidade Federal de Goiás – Regional Jataí
  • Thalyta Souza Costa Universidade Federal de Goiás – Regional Jataí
  • Vânia Carmem Lima Universidade Federal de Goiás – Regional Jataí

DOI:

https://doi.org/10.5216/rir.v12i1.37088

Palavras-chave:

Poema. Poesia. Escrita/Reescrita.

Resumo

Este artigo tem a finalidade de apresentar os resultados da realização da oficina: De verso em verso eu converso, realizado no Colégio Estadual Serafim de Carvalho, aplicado nas turmas de 9º ano do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio, sob orientação das bolsistas PIBID, professores da escola e o acompanhamento da coordenadora de área e da professora supervisora. Esta oficina nasceu da necessidade de se trabalhar em sala  de aula o gênero poema, uma vez que esse gênero é, na maioria das vezes, marginalizado na escola por se tratar de um texto que é tomado como de difícil leitura e produção, restringindo-se apenas à categoria dos poetas, fundamentado, pois, na ideologia do dom. Este constituiu o objetivo geral desse trabalho. Tentando desconstruir esse mito, buscamos elaborar com os alunos alguns poemas, subsidiados por outros lidos e trabalhados em sala, tendo como fundamentação teórica os seguintes autores: Bakhtin, Chiappini, Geraldi e Possenti. O resultado apontou para a questão de que esse tipo de gênero resulta do trabalho do professor mediador e, nisso, reside o processo de reescrita. A oficina se deu, assim, por etapas. Na primeira, foi feita a caracterização desse gênero, a partir dos poemas lidos em sala e, em seguida, os alunos foram convidados a produzirem. Na etapa seguinte, os textos foram revisados, primeiramente pelas bolsistas e depois pelas professoras, coordenadora de área e supervisora. Na terceira etapa, os alunos reescreveram os textos. Vale lembrar que este foi um processo orientado e mediado pela equipe PIBID, juntamente com o professor da sala. Nessa etapa, verificou-se um avanço na produção dos alunos quando estes passaram a monitorar a sua escrita. Alguns desses textos foram, então, selecionados para compor o mural da escola. O fato de estes terem ido para o mural fez com que os alunos se interessassem por esse gênero e apreciassem, agora, na posição de leitor do seu próprio texto, os poemas produzidos. Outros poemas também foram selecionados para compor o jornal da escola. Acreditamos que esse trabalho tenha sido motivador para tantos outros, e que possa desse modo resgatar o lugar do poema na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo. Editora Martins Fontes, 1997.

CITELLI, B. H. M. BONATELLI, I. R. M. A escrita na sala de aula: vivências e possibilidades. In: CHIAPPINI, L.(coord.). Aprender e ensinar com textos de alunos. São Paulo. Volume1. Editora Cortez, 1998.

KOCH, I. G. V. A coesão textual. São Paulo, Contexto, 1989.

KRAMMER, S. Leitura e escrita como experiência: notas sobre seu papel na formação. In: ZACCUR, E. (Org.) A magia da linguagem. Rio de Janeiro: DP & A; SEPE, 2001.

GERALDI, J. W. O texto na sala de aula. Cascavel (PR), Editora Assoeste, 1984.

______. Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

______. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação. Campinas, SP: Mercado de Letras - ALB, 1996.

MICHELETTI, G. A leitura como construção do texto e construção do real. In: MICHELETTI, G. (Org.) Leitura e construção do real: o lugar da poesia e da ficção. São Paulo: Cortez, 2000.

MICHELETTI, G. PERES, L. P. F. GEBARA, A. E. L. Construção, desconstrução e reconstrução na busca de significados no/ do poema. In: MICHELETTI, G. (Org.) Leitura e construção do real: o lugar da poesia e da ficção. São Paulo: Cortez, 2000.

OHUSCHI, M. C. G. A produção de texto no curso de Letras: diagnóstico do ensinar a escrita. 2006, 118 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

POSSENTI, S. O pequeno sonho da reescrita. Revista Língua, São Paulo. Nº113. Pág. 18-20. Mar. 2015.

SERCUNDES, M. M. I. Ensinando a escrever. In: GERALDI, J. W.; CITELLI, B. (Org.) Aprender e ensinar com textos dos alunos. São Paulo: Cortez, 1997, p. 75-97. Vol 1.

VIANA, C. Reescrever é sobreviver. Revista Língua, São Paulo. Nº 76. Pág. 44-49. Fev. 2012.

Downloads

Publicado

2016-02-29

Como Citar

LEAL ALMANÇA DE CARVALHO, A.; ALMEIDA ROSA, M.; ALVES SOUZA MATTOS, P.; SOUZA COSTA, T.; CARMEM LIMA, V. OFICINA DE POESIA: DE VERSO EM VERSO EU CONVERSO. Itinerarius Reflectionis, Goiânia, v. 12, n. 1, 2016. DOI: 10.5216/rir.v12i1.37088. Disponível em: https://revistas.ufg.br/rir/article/view/37088. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Elicpibid - 2º Encontro de Licenciaturas do Sudoeste Goiano