PROGRAMA MULHERES MIL: EDUCAÇÃO PROFISSONAL DESTINADA AO GÊNERO FEMININO

Autores

  • Kelly Cristine Ferreira Prado Duarte Universidade Federal de Goiás
  • Maria de Lourdes Faria dos Santos Paniago Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/rir.v12i1.36456

Palavras-chave:

Programa Mulheres Mil, Educação profissional, Gênero feminino

Resumo

Este artigo objetiva refletir sobre o Programa Mulheres Mil (PMM), uma política pública educacional inserida no Norte e Nordeste brasileiros em 2007 e expandida para todo o país em 2011, direcionada a mulheres com baixa escolaridade, em condição de vulnerabilidade, e voltada para a profissionalização do gênero feminino. Para tanto, apresenta uma explanação sobre a educação profissional no país, seguida de uma sucinta exposição sobre a questão do gênero feminino, acompanhada de uma breve análise do PMM. Diversos autores sustentam a discussão aqui desenvolvida, dentre eles Arroyo (2010), Frigotto (2009) e Kuenzer (2010) e (2007), para tratar da educação profissional; Alambert (1986), Haug (2006) e Saffioti (1999), para discorrer sobre o gênero feminino; e outros. As desigualdades sociais parecem nortear a educação profissional no Brasil, num processo de controle da exclusão, sobretudo no que se refere ao gênero feminino. Este, muitas vezes, acaba por ser duplamente oprimido, em razão de sua condição socioeconômica e também da discriminação sócio-histórico-cultural de gênero. Contudo, a construção de uma consciência coletiva da classe trabalhadora - assim como a inclusão de políticas sociais afirmativas de fato, em um cenário em que o Estado vá além das relações de mercado - pode favorecer uma reversão das relações de poder que envolvem o PMM e outras iniciativas similares, especialmente no que tange à educação profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelly Cristine Ferreira Prado Duarte, Universidade Federal de Goiás

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - UFG - Regional de Jataí; graduada em Letras (2003) e em Direito (2013) pela Universidade Federal de Goiás; especialista em Literatura e Língua Portuguesa (2008) pela mesma instituição. Há mais de 10 (dez) anos atua na rede pública de ensino. Já exerceu diferentes funções, tais como: vice-gestora, coordenadora pedagógica, dinamizadora de laboratório e professora de apoio (inclusão) - em concomitância com a docência no ensino de Língua Portuguesa e Literatura. Também lecionou na Universidade Estadual de Goiás e na Universidade Federal de Goiás - nas unidades de Jataí. Atuou, nos anos de 2013 e 2014, como professora supervisora no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) e como professora pesquisadora na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (FAPEG).

Maria de Lourdes Faria dos Santos Paniago, Universidade Federal de Goiás

Graduada em Letras Português Licenciatura e Bacharelado pela Universidade Federal de Goiás (1993), mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000), doutora em Lingüística pela Universidade Estadual Paulista (2005), e pós-doutora em Filologia e Língua Portuguesa pela USP (2011) È professora no Campus Jataí da Universidade Federal de Goiás e atua também como professora no Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da UFG. Foi presidente da ANPGL - Associação Nacional de Pesquisa na Graduação em Letras no triênio 2009/2012 e atualmente exerce a função de Coordenadora de Área de Gestão de Processos Educacionais do PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. Coordena o TEIA ? Grupo Multidisciplinar de Estudos em Análise do Discurso de Jataí. Atua principalmente com as seguintes temáticas: análise do discurso, práticas de subjetivação, produção de textos, escola e leitura.

Referências

ALAMBERT, Z. Feminismo: o ponto de vista marxista. São Paulo, Nobel, 1986.

ARNAUD, A. P. A. R.; SOUSA, F. P. Perfil Socioeconômico do Programa Mulheres Mil - IFPB - Campus Monteiro: expressão da questão social. VII CONNEPI, IFTO, Palmas, Tocantins, 2012.

ARROYO, M. G. Políticas educacionais e desigualdades: à procura de novos significados. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1381-1416, out.-dez., 2010.

BERGER, P. L. Perspectivas sociológicas: uma visão humanística. Rio de Janeiro, Vozes, 2001.

BRANDÃO, C. F. O ensino profissional no Plano Nacional de Educação: as questões da oferta, do atendimento e da formação profissional. Camine, Caminhos da Educação, v. 3, 2011.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo, Brasiliense, 2007.

CUNHA BUENO, M. G. R. Feminismo e Direito Penal. Dissertação. USP, 2011.

DIAS, T.; CARIO, S. A relação entre Estado e sociedade no século XXI: a perspectiva paraeconômica como estratégia neodesenvolvimentista. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL). ILPES, Nações Unidas, Santiago, Chile, 2014.

FERREIRA, M. J. R. Educação profissional técnica e escolarização feminina: entre o silêncio e a interdição. Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2013.

FOUCAULT, M. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2010.

FRIGOTTO, G. Política e gestão educacional na contemporaneidade. In: FERREIRA, E. B. & OLIVEIRA, D. A. (Orgs.) Crise da escola e políticas educativas. Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2009.

GOERGEN, P. Educação superior na perspectiva do sistema e do Plano Nacional de Educação. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 112, p. 895-917, jul.-set. 2010.

GUIMARÃES, M; SILVA, M. C. M. As políticas de Educação Tecnológica para o Brasil do século XX. In: MOLL, J. e colaboradores (Org.). Educação Profissional e Tecnológica no Brasil Contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre, Artmed, 2010.

HAUG, F. Para uma teoria das relações de gênero. In: Boron, A.; Amadeo, J.; González, S. (Org.). A teoria marxista hoje: problemas e perspectivas. Buenos Aires, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2006.

HIRATA, H. Tecnologia, formação profissional e relações de gênero no trabalho. Revista Educação e Tecnologia. CEFETs, PR/MG/RJ, 2011.

IANNI, O. Enigmas da Modernidade-Mundo. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2000.

IASI, M. L. Olhar o mundo com olhos de mulher. Instituto Internacional de Investigação e Formação. Amsterdã, Holanda, 1991.

KOLLONTAY, Alejandra. El marxismo y la nueva moral sexual. Traducción de Carlos Castro. México, D. F., Editorial Grijalbo, 1977.

KUENZER, A. Z. Ensino Médio e Profissional: as políticas do Estado Neoliberal. São Paulo, Cortez, 2007.

______. As políticas de educação profissional: uma reflexão necessária. In: MOLL, Jaqueline (Org.). Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. São Paulo, Artmed, 2010.

LIMA JUNIOR, L. P. Gênero e educação. Conc. João Pessoa, v. 4, n. 6, p. 1-180, Jul./Dez., 2001.

MANFREDI, S. M. Educação profissional no Brasil. São Paulo, Cortez, 2002.

PERONI, V. M. V. As relações entre o público e o privado nas políticas educacionais no contexto da terceira via. Currículo sem fronteiras, v. 13, n. 2, p. 234-255, maio/ago. 2013.

SAFFIOTI, H. I. B. Primórdios do conceito de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, 1999.

SANFELICE, J. L. Reforma do Estado e da Educação no Brasil de FHC. Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 85, p. 1391-1398, dez. 2003.

SAVIANI, D. O plano de desenvolvimento da educação: análise do projeto do MEC. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 – Especial, p. 1231-1255, out. 2007.

______. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, São Paulo, Autores Associados, 2008.

WERMELINGER, M.; MACHADO, M. H.; AMÂNCIO FILHO, A. Políticas de educação profissional: referências e perspectivas. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 15, n. 55, 2007.

Downloads

Publicado

2016-02-29

Como Citar

DUARTE, K. C. F. P.; PANIAGO, M. de L. F. dos S. PROGRAMA MULHERES MIL: EDUCAÇÃO PROFISSONAL DESTINADA AO GÊNERO FEMININO. Itinerarius Reflectionis, Goiânia, v. 12, n. 1, 2016. DOI: 10.5216/rir.v12i1.36456. Disponível em: https://revistas.ufg.br/rir/article/view/36456. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Elicpibid - 2º Encontro de Licenciaturas do Sudoeste Goiano