Educação dos surdos no Brasil: um percurso histórico e novas perspectivas

Autores

  • Quintino Martins de Oliveira Universidade Federal do Tocantins (UFT), Patriocinio, Araguaína
  • Francisco José Quaresma de Figueiredo Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v2i2.50544

Palavras-chave:

Educação de surdos. Interação. Processo de aprendizagem.

Resumo

Este artigo discute algumas questões teóricas de bilinguismo (BAKER, 2004; GROSJEAN, 1982; MYERS-SCOTTON, 2006), tendo como foco a educação de surdos no Brasil (FELIPE, 2006; FERNANDES, 1990; LACERDA; LODI, 2009; QUADROS, 2012) e suas implicações na constituição do sujeito surdo. As reflexões sobre as questões linguísticas dentro do espaço escolar têm mostrado uma tendência bilíngue para a educação de surdos. Esse método pedagógico considera a língua brasileira de sinais (libras) como língua de instrução, e o ensino da língua portuguesa, como segunda língua, na modalidade escrita. Os estudos revisados neste artigo revelam que é necessária uma reflexão sobre o processo de inclusão dos alunos surdos na escola e que esta não pode ser ancorada simplesmente na inserção desses alunos com os alunos ouvintes em salas regulares, conforme presenciamos hoje nas escolas públicas (FELIPE, 2006). São necessárias mudanças na estrutura escolar, no que diz respeito à validação dos direitos linguísticos dos surdos, uma vez que as relações didático-pedagógicas consideram as peculiaridades das diferentes modalidades de ambas as línguas, bem como a relação entre língua, cultura, identidade do surdo e interação, fatores fundamentais em seu desenvolvimento escolar e social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Quintino Martins de Oliveira, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Patriocinio, Araguaína

Professor de Libras da Universidade Federal do Tocantins. Mestrando em Letras e Linguística na Universidade Federal de Goiás

Francisco José Quaresma de Figueiredo, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO

Possui graduação em Letras Português Inglês pela Universidade Federal de Goiás (1988), mestrado em Lingüística pela Universidade Federal de Goiás (1995) e doutorado em Lingüística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). É Professor Associado 3 de Língua Inglesa da Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de Lingüística Aplicada, com ênfase em ensino e aprendizagem de línguas, atuando principalmente nos seguintes temas: correção com os pares, aprendizagem colaborativa, inglês, avaliação, erro e correção, crenças sobre ensino-aprendizagem de línguas. Tem vasta publicação nessas áreas, em forma de artigos em periódicos especializados e em capítulos de livros. É autor de "Aprendendo com os erros: uma perspectiva comunicativa de ensino de línguas" e de "Semeando a interação: a revisão dialógica de textos escritos em língua estrangeira". Organizou os livros "A aprendizagem colaborativa de línguas" e "Formação de Professores de Línguas Estrangeiras: Princípios e Práticas". Juntamente com Maria Cristina Pimentel Campos, da UFV, organizou os livros "Culture and arts in Brazil and in the United States: a bridge of multifaceted languages" e "Intercultural and interdisciplinary studies: pursuits in higher education". Atualmente, é o Diretor da Faculdade de Letras da UFG. Em 1992, foi um dos integrantes da delegação brasileira no programa The Ship for World Youth, patrocinado pelo governo japonês, experiência que lhe possibilitou conhecer o Japão, Estados Unidos, México e Venezuela. De 2006 a 2010, foi o coordenador da UFG no programa INICIATIVA EM ARTES E CULTURA BRASIL-ESTADOS UNIDOS, patrocinado pela CAPES/FIPSE, em parceria com a Universidade Federal de Viçosa e duas instituições americanas: University of Montevallo e Gadsden State Community College, ambas no estado do Alabama. Coordenada, desde 2012, o Programa de Licenciatura Internacional entre a UFG e a universidade de Coimbra. Atualmente, é o Diretor da Faculdade de Letras da UFG.

Referências

ALBRES, N. A. Português: eu quero ler e escrever. São Paulo: Instituto Santa Terezinha, 2010.

ANATER, G. I. P. As marcações linguísticas não-manuais na aquisição da língua de sinais brasileira (LSB): um estudo de caso longitudinal. 2009. 160 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

ARROTÉIA, J. O papel da marcação não-manual nas sentenças negativas em Língua de Sinais Brasileira (LSB). 2005. 113 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto dos Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

BAKER, C. Deaf people, bilingualism and bilingual education. In: ______. Foundations of bilingual education and bilingualism. 4. ed. Great Britain: Multilingual Matters, 2004. p. 370-380.

______. Foundations of bilingual education and bilingualism. 5. ed. New York: Multilingual Matters, 2011.

BARROS, M. E. ELiS: sistema brasileiro de escrita das línguas de sinais. Porto Alegre: Penso, 2015.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, 23/12/1996, p. 27833 (Publicação Original).

______. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, 25/4/2002, p. 23 (Publicação Original).

______. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n° 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, 23/12/2005, p. 28 (Publicação Original).

BUTLER, Y. G.; HAKUTA, K. Bilingualism and second language acquisition. In: BHATIA, T. K.; RITCHIE, W. C. (Ed.). The handbook of bilingualism. Oxford: Blackwell Publishing Ltd, 2006. p. 114-144.

CAPOVILLA, F. C. Filosofias educacionais em relação ao surdo: do oralismo à comunicação total ao bilingüismo. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 6, n. 1, p. 99-116, 2000.

CHAVEIRO, N. Qualidade de vida das pessoas surdas que se comunicam pela língua de sinais: construção da versão em Libras dos instrumentos WHOQOL-BREF e WHOQOL-DIS. 2011. 252 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011. Disponível em: <http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/ tde/1527>. Acesso em: 14 jul. 2017.

CICCONE, M. M. C. Comunicação total: introdução, estratégia e a pessoa surda. Rio de Janeiro: Editora Cultura Médica, 1990.

CUMMINS, J. Bilingual children’s mother tongue: why is it important for education?. Sprogforum, Tonronto-CA, v. 7, n. 1, p. 15-23, 2009. Disponível em: <http://www.iteachile arn.com/cummins/mother.htm>. Acesso em: 15 ago. 2016.

DOMAGALA-ZYSK, E. Deaf and hard of hearing primary school pupil’s motivation to learn English as a foreign language. In: BYRA, S.; CHODKOWSKA, E. (Ed.). Socio-pedagogical contexts of social marginalization. Lublin: UMCS, 2013. p. 159-176.

DONATO, R. Collective scaffolding in second language learning. In: LANTOLF, J. P.; APPEL, G. (Ed.). Vygotskian approaches to second language learning. Norwood-NJ: Ablex Publishing Company, 1994. p. 39-62.

EMMOREY, K.; BORINSTEIN, H.; THOMPSON, R.; GOLLAN, T. Bimodal bilingualism. Bilingualism, Cambridge-England, v. 11, n. 1, p. 43-61, 2008. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2017.

FELIPE, T. Escola inclusiva e os direitos linguísticos dos surdos. Revista Espaço, v. 7, p. 41-46, 1997.

______. Política públicas para inserção da Libras na educação de surdos. Revista Informativo Científico Espaço – INES, Rio de Janeiro, n. 25/26, p. 33-47, jan./dez. 2006.

FELIPE, T. A; MONTEIRO, M. S. Libras em contexto: curso básico. 7. ed. Rio de Janeiro: WallPrint, 2008.

FERNANDES, E. Problemas linguísticos e cognitivos do surdo. Rio de Janeiro: Agir, 1990.

FERREIRA, L. Por uma gramática de língua de sinais. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2010.

FERREIRA-BRITO, L. Uma abordagem fonológica dos sinais da LSB. Revista Informativo Científico Espaço – INES, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 20-43, 1990.

______. Integração social & educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel, 1993.

FIGUEIREDO, F. J. Q. de. (Org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. Goiânia: Editora da UFG, 2006a.

______. A aprendizagem colaborativa de línguas: algumas considerações conceituais e terminológicas. In: ______. (Org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. Goiânia: Editora da UFG, 2006b. p. 11-45.

______. Aprendendo com os erros: uma perspectiva comunicativa de ensino de línguas. 3. ed. rev. ampl. Goiânia: Editora da UFG, 2015.

FIGUEIREDO, F. J. Q.; OLIVEIRA-SILVA, C. M. Uma análise da eficácia das estratégias de ensino utilizadas por uma professora ministrando aulas de inglês instrumental para alunos surdos em uma sala de aula inclusiva na universidade. In: FIGUEIREDO, F. J. Q.; SIMÕES, D. M. P. (Org.). Linguística Aplicada, prática de ensino e aprendizagem de línguas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2016. p. 235-282.

FIGUEIREDO, F. J. Q.; SILVA, S. V. A colaboração no ensino-aprendizagem de línguas em contextos tecnológicos: uma análise das interações entre aprendizes brasileiros e alemães. In: FIGUEIREDO, F. J. Q.; SIMOES, D. M. P. (Org.). Metodologias em/de linguística aplicada para ensino e aprendizagem de línguas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2014. p. 73-117.

FIGUEREDO, C. J. O uso de estratégias de comunicação em sala de aula de língua inglesa: a interação em foco. 2001. 164 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2001.

FOX, M. Talking hands: what sign language reveals about the mind. New York: Simon & Schuster Paperbacks, 2007.

GÓES, M. C. R. Linguagem, surdez e educação. 2. ed. Campinas-SP: Editora Autores Associados, 1999.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio- interacionista. São Paulo: Plexus, 1997. p. 24-40.

GROSJEAN, F. Life with two languages: An introduction to bilingualism. Cambridge-London: Harvard University Press, 1982.

KLIMA, E. S.; BELLUGI, U. The signs of language. 3. ed. Cambrige-London: Harvard University Press, 1980.

LACERDA, C. B. F. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos, 1998. Disponível em:

<http://150.164.100.248/dialogosdeinclusao/data1/arquivos/LACERDA _Historia_Abordagens_Educacionais.pdf>. Acesso em: 12 set. 2016.

LACERDA, C. B. F.; LODI, A. C. B. A inclusão escolar bilíngue de alunos surdos: princípios, breve histórico e perspectivas. In: LODI, A. C. B.; LACERDA, C. B. F. (Org.). Uma escola duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 11-32.

______. O intérprete educacional de língua de sinais no Ensino Fundamental: refletindo sobre limites e possibilidades. In: LODI, A. C. B. et al. (Org.). Letramento e minorias. 7. ed. Porto Alegre: Mediação, 2014. p. 120-137.

LANE, H. A máscara da benevolência: a comunidade surda amordaçada. Lisboa: Horizontes Pedagógicos, 1995.

LEMOS, M. T. G. A língua que me falta: uma análise dos estudos em aquisição de linguagem. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2002.

MACHADO, P. C. Integração/Inclusão na escola regular: um olhar do egresso surdo. In: QUADROS, R. M. (Org.). Estudos Surdos I. Petrópolis: Arara Azul, 2006. p. 38-75.

MARCHESI, A.; MARTÍN, E. Comunicação, linguagem e pensamento das crianças surdas. In: COLL et al. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. p. 198-231.

MEIER, R. P. Why different, why the same? Explaining effects and non-effects of modality upon linguistic structure in sign and speech. In: MEIER, R. P.; CORMIER K.; QUINTO-POZOS, D. (Org.). Modality and structure in signed and spoken languages. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. p. 1-25.

MELLO, H. A. B. Madrinha ou madrasta? O papel da L1 na aquisição da L2. Signótica, v. 16, n. 2, p. 213-242, jul./dez. 2004.

______. Práticas discursivas em uma sala de aula de ESL: uma análise microetnográfica. In: REES, K. D.; MELLO, B. A. H.; FERREIRA, D. F. C. M. (Org.). Múltiplas Vozes. Goiânia: Editora da UFG, 2008. p. 106-129.

______. Educação bilíngue: uma breve discussão. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n. 1, p. 118-140, 2010.

MYERS-SCOTTON, C. Who is a bilingual? What factors promote bilingualism? In: ______. Multiple Voices: An introduction to Bilingualism. Malden-MA: Blackwell, 2006. p. 35-66.

NYIKOS, M.; HASHIMOTO, R. Constructivist theory applied to collaborative learning in teacher education: In search of ZPD. The Modern Language Journal, v. 81, n. 4, p. 506-517, 1997.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1998.

OLIVEIRA, Q. M.; FIGUEIREDO, F. J. Q. de. Aprendizagem de libras e português em contexto de tandem: um estudo realizado com uma aluna surda e uma ouvinte da Universidade Federal de Tocantins. Caderno Seminal Digital, v. 28, n. 28, p. 1-24, 2017.

OLIVEIRA-SILVA, C. M. A aprendizagem colaborativa de inglês instrumental por alunos surdos: um estudo com alunos do curso de Letras: Libras da UFG. 2017. 262 f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

PEREIRA, M. C. C. (Org.). Leitura, escrita e surdez. Secretaria da Educação, CENP/CAPE. 2. ed. São Paulo: FDE, 2009.

______. Papel da língua de sinais na aquisição da escrita por estudantes surdos. In: LODI, A. C. B. et al. (Org.). Letramento e minorias. 7. ed. Porto Alegre: Mediação, 2014. p. 45-52.

PERLIN, G. Identidades surdas. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998. p. 51-73.

______. Identidades surdas. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 7. ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2012. p. 51-73.

PICONI, L. B. Teaching languages to deaf students in Brazil at the intersection of discourses. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 14, n. 4, p. 881-904, 2014.

PIRES, L. C.; LOPES, R. E. V. A aquisição da flexão em português escrito por sinalizantes surdos: uma reflexão inicial sobre educação bilíngue. In: LIMA-SALLES, H. M. M. (Org.). Bilinguismo dos surdos: questões linguísticas e educacionais. Goiânia: Cânone Editorial, 2007. p. 17-47.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

______. O ‘BI’ em bilinguismo na educação de surdos. In: FERNANDES, E.; SILVA, A. C., et al. (Org.). Surdez e bilinguismo. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2012. p. 27-37.

QUADROS, R. M.; FINGER, I. Teorias de aquisição da linguagem. Florianópolis: UFSC, 2008.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RABELO, A. S. Português sinalizado: Comunicação Total. v. 1. Goiânia: Editora UCG, 1992a. p. 11-37.

______. Português sinalizado: Comunicação Total. v. 2. Goiânia: Editora UCG, 1992b. p. 09-12.

RIGONATO, L. G. N. A correção com os pares em um contexto de ensino-aprendizagem de Português como Língua Estrangeira: um estudo com alunos intercambistas na UFG. 2017. 164 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

SABOTA, B. Trançando os fios da leitura em língua inglesa: por uma resolução colaborativa de exercícios de compreensão textual. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. de. (Org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. Goiânia: Editora da UFG, 2006. p. 81-109.

SACKS, O. W. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SANDLER, W.; LILLO-MARTIN, D. Sign language and linguistic universals. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

SANTOS, H. T. S. A construção de identidades na educação de surdos. Curitiba: Editora Prismas, 2016.

SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 2015.

SOUZA, R. G. Que palavra que te falta? Lingüística e educação: considerações epistemológicas a partir da surdez. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

SOUZA, S. A.; ALMEIDA, S. H. S. Leitura-escrita em inglês com surdos: uma abordagem dialógica. Revista Eventos Pedagógicos, 10. ed., v. 5, n. 1 (número especial), p. 140-148, jan./maio 2014.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2. ed. Florianópolis, SC: Editora da UFSC, 2009. p. 31-37.

STUMPF, M. R. Prefácio. In: WANDERLEY, D. C. A leitura e escrita de sinais de forma processual e lúdica. Curitiba: Editora Prismas, 2015. p. 11-12.

STUMPF, M. R.; QUADROS, R. M. Tradução e interpretação da língua brasileira de sinais: formação e pesquisa. Cadernos de Tradução, v. 2, n. 26, p. 165-205, 2010.

TSUI, A. B. M. Introducing classroom interaction. London: Penguin, 1995.

VALLI, C.; LUCAS, C.; MULROONEY, K. J.; VILLANUEVA, M. Linguistics of American sign language: An introduction. 5. ed. Washington-DC: Gallaudet University Press, 2011.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Pontes, 1998.

______. Pensamento e linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

WANDERLEY, D. C. A leitura e escrita de sinais de forma processual e lúdica. Curitiba: Editora Prismas, 2015.

WOOD, D.; BRUNER, J. S.; ROSS, G. The role of tutoring in problem solving. Journal of Child Psychology and Psychiatry, v. 7, p. 89-100, 1976.

Downloads

Publicado

2017-12-20

Como Citar

OLIVEIRA, Q. M. de; FIGUEIREDO, F. J. Q. de. Educação dos surdos no Brasil: um percurso histórico e novas perspectivas. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 2, n. 2, p. 174–197, 2017. DOI: 10.5216/rs.v2i2.50544. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revsinal/article/view/50544. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos