A PERDA DO PATRIMÔNIO CULTURAL EM DECORRÊNCIA DO MAIOR DESASTRE AMBIENTAL EM CURSO NO MUNDO

O CASO DA SUBSIDÊNCIA DOS BAIRROS EM MACEIO (AL)

Autores

  • Adriana Capretz Borges da Silva Manhas

Palavras-chave:

Subsidência, Maceió, referências culturais, mineração

Resumo

Uma parte grande da área central do município de Maceió, capital de Alagoas, que corresponde a cinco bairros, foi afetada por um fenômeno que em geologia é chamado de “subsidência”, que consiste no afundamento abrupto da superfície da terra, com pouco ou nenhum movimento horizontal, decorrente da exploração de  sal-gema, matéria prima para a fabricação de plásticos, PVC e soda cáustica. Devido ao risco iminente, a população de quatro bairros foi removida, deixando mais de 15 mil residências nos bairros Pinheiro, Mutange, Bom Parto e Bebedouro (este último, uma Zona Especial de Preservação Rígida), além dos comércios e serviços que os bairros abrigavam. Três dos bairros agora fantasmas são situados próximos à Laguna Mundaú e abrigam  edificações que remontam os primórdios da urbanização de Maceió. Nos dois bairros que ficam na parte alta, Pinheiro e agora também parte do Farol, estão concentrados os poucos exemplares de arquitetura modernista ainda existentes em Maceió. Mas as perdas das referências culturais vão além do patrimônio construído que pode desaparecer pela subsidência ou, como já vem acontecendo, por abandono. Elas incluem o chamado “patrimônio imaterial”, com o enfraquecimento das tradições locais, dos folguedos populares como os grupos de quadrilha e coco de roda, cuja existência está relacionada exclusivamente da relação com a territorialidade e proximidade geográfica dos brincantes, já que os grupos eram formados por parentes e vizinhos, os quais foram realocados distantes uns dos outros, inviabilizando a continuação das tradições. Essa “diáspora” pode causar a condenação das tradições que sempre foram muito presentes na cultura alagoana, e também são frutos de resistências de grupos que descendem de africanos escravizados. Sobre a possibilidade de perda e ações necessárias para se evitar o desaparecimento do patrimônio material e imaterial dos bairros atingidos trataremos neste ensaio. 

Referências

Ações do Ministério Público Federal – AL. Disponível em: <http://www.mpf.mp.br/grandes-casos/caso-pinheiro>. Acesso em: 30 jan 2022.

CARVALHO, Cicéro Péricles de. Formação histórica de Alagoas. 3ª. Ed. Maceió: Edufal, 2015. “A formação da Capital”. 184-198.

MAIA, Álvaro Maia e CABRAL, Paulo. Análise de tensões e dimensionamento de cavernas por dissolução de halita da bacia evaporítica no estado de Alagoas no Brasil. Houston, 1992.

Mapeamento das áreas pelo Serviço Geológico do Brasil – CPRM: Ação Emergencial para o Bairro do Pinheiro em Maceió. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/publique/Gestao-Territorial/Acoes-Especiais/Acao-Emergencial-no-Bairro-Pinheiro-%28Maceio%2C-AL%29-5344.html> Acesso em: 30 jan 2022.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Trad. Yara Aun Khoury.

Revista Projeto História, Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História daPUC São Pau-lo, n. 10, São Paulo, dez. 1993, p. 7-28.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE MACEIÓ: DIANÓSTICO E PROGNÓSTICO. Maceió:COMPLAN – Coor-denação Municipal de Planejamento. Vol. 1, 1981

PLEC – Projeto de Levantamento Ecológico Cultural da Região das Lagoas Mundaú e Manguaba. Ma-ceió: SEPLAN/SUDENE/CNRC. Vol. 1. 2. ed, 1980.

PORTAL DE ARQUITETURA ALAGOANA. Site sobre cultura de Alagoas. Disponível : www.arquiteturaalagoana.al.org.br Acesso em: 03 mai 2020.

SANTOS, Jorima Valoz dos. A percepção dos aspectos topofílicos e topofóbicos do bairro Pontal da Barra – Maceió (AL) pelos seus moradores. Dissertação (Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habita-do). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Universidade Federal de Alagoas, Ma-ceió, 2011

SECRETARIA ESTADUAL DE CULTURA DE ALAGOAS. Disponível em: < http://www.cultura.al.gov.br/> Acesso em 01 abr 2018.

Site da Braskem Alagoas. Disponível em: < https://www.braskem.com.br/alagoas>. Acesso em: 30 jan 2022.

VASSILEVA, Magdalena et. al. A decade-long silente ground subsidence hazard culminating in a me-tropolitan disaster in Maceió, Brazil. Scientific Reports (2021)11:7704. Disponível em: https://doi.org/10.1038/s41598-021-87033-0 . Acesso em: 30 jan 2022.

VIEIRA, Maria do Carmo. “Daqui só saio pó”... Conflitos urbanos e mobilização popular: a Salgema e o Pontal da Barra. Maceió: EDUFAL, 1997.

ZHOURI, Andréa (Org.); R. Oliveira et all. Mineração: violências e resistências: um campo aberto à produção de conhecimento no Brasil. 1.ed.— Marabá, PA : Editorial iGuana; ABA, 2018. 711 kb ; e-PUB.

card

Downloads

Publicado

2022-06-06

Como Citar

CAPRETZ BORGES DA SILVA MANHAS, A. A PERDA DO PATRIMÔNIO CULTURAL EM DECORRÊNCIA DO MAIOR DESASTRE AMBIENTAL EM CURSO NO MUNDO: O CASO DA SUBSIDÊNCIA DOS BAIRROS EM MACEIO (AL). Revista Jatobá, Goiânia, v. 4, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/73021. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos livres