Densidade e Uso do Solo em Goiânia-GO

O Bairro Jardim Goiás

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54686/revjat.v3i.71938

Palavras-chave:

Densidade Qualificada. Indicadores. Uso Misto. Caminhabilidade, Goiânia.

Resumo

As vertentes Teóricas do Urbanismo Contemporâneo apresentam a alta densidade qualificada como uma diretriz de implantação, em contraponto, outras pesquisas se opõem a esse tipo de urbanização. Não há um consenso sobre o valor ideal de densidade que traga qualidade ao espaço urbano, e é dentro dessa problemática que surge o problema de pesquisa, que considera o uso do solo como recorte de análise do Bairro Jardim Goiás em Goiânia-Goiás: Quais as influências do uso misto do solo e da densidade urbana atual do Bairro Jardim Goiás sobre a qualidade do espaço? Nesse sentido, o objetivo geral da pesquisa é identificar e analisar as influências do uso do solo e da densidade urbana na qualidade do espaço do Bairro Jardim Goiás. A metodologia utilizou dados levantados no interstício de 2018 e 2019 e aplicou em estudo de caso 4 Indicadores relacionados à temática uso misto do solo. Os resultados apontam para um uso misto deficiente, nesse sentido, sugere-se que o referido Bairro replaneje a um adensamento qualificado.

Biografia do Autor

Lívia Maria Moreira, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Fundação Universidade Federal do Tocantins (2008). Mestra no Programa de Pós Graduação Projeto e Cidade - UFG (2020), com pesquisa desenvolvida na área de densidade e forma urbana. Especialista em Engenharia de Segurança e Saúde no Trabalho - UFG, concluída em 2015. Especialista pela Universidade de Brasília em Reabilitação Ambiental Sustentável Arquitetônica e Urbanística (2016), tendo como tema de trabalho de conclusão de curso: "Estudo de Eficiência Energética em Edifício Escolar em Goiânia - GO, onde foi realizado um estudo de caso aplicando a metodologia do RTQ-C para classificação do nível de eficiência energética do projeto do Centro de Aulas Embaúbas, Campus II da Universidade Federal de Goiás. Experiência na concepção de projetos arquitetônicos, interiores e paisagismo, além de acompanhamento de obras e levantamento de custos. Atualmente Servidora Pública Federal, Técnica Administrativa de Nível Superior, aprovada em Concurso Público, nomeada para a função de Arquiteta e Urbanista na Universidade Federal de Goiás.

Luana Kallas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

Nascida em Governador Valadares-MG. Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela UnB (2015), linha de pesquisa em Planejamento e desenho urbano. Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela UnB(2008), linha de pesquisa de planejamento e desenho urbano. Especialista em Paisagismo pelo Instituto Camillo Filho(2005). Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Piauí (2003). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento urbano, regional e metropolitano, com enfoque nos instrumentos da política urbana; paisagem, com enfoque em paisagismo e novos usos dos espaços públicos; e, a sustentabilidade, com enfoque em infraestruturas verdes e conforto ambiental. Foi Professora na FAU UnB e atualmente é Professora Adjunta no curso de Arquitetura e Urbanismo e Professora permanente do curso de Pós-graduação Projeto e Cidade (PPGPC) da Faculdade de Artes Visuais na Universidade Federal de Goiás, campus Goiânia (FAV/ UFG), sendo Editora-chefe da Revista Jatobá, do Programa de Pós-graduação Projeto e Cidade da FAV/UFG e é representante e correspondente desde 2015 do Urban Sketchers de Brasília/DF, bem como coordena o projeto de Extensão Goiânia em Traços, que visa resgatar e reconhecer a cidade por meio da observação durante o caminhar, o flanar representando-a em sketches urbanos, e assim valorizando o patrimônio cultural, arquitetônico e natural da cidade. É representante Anpur pela PPGPC, e membro Icomos e Docomomo.

Referências

ACIOLY, C.; DAVIDSON, F. Densidade urbana: um instrumento de planejamento e gestão urbana. (Tradução Claio Acioly). Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

ANDRADE, Patrícia Alonso. Densidade e forma urbana: caminhos para a urbanidade. IV enanparq. Julho de 2016. Disponível em: <https://www.anparq.org.br/dvd-enanparq-4/SESSAO%2023/S23-02- ANDRADE,%20P.pdf.> Acesso em: dezembro, 2018.

CARTA DO NOVO URBANISMO. Congresso para o novo urbanismo, 2001. Disponível em: https://www.cnu.org/sites/default/files/cnucharter_portuguese.pdf . Acesso em: fevereiro, 2019.

CASTRO, Luiz Guilherme Rivera de. Densidades, formas urbanas e urbanidades. Relações de natureza complexa. Arquitextos, São Paulo, ano 19, n. 226.02, Vitruvius, mar. 2019. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/19.226/7327. Acesso em: fevereiro, 2019

CNU. Congress for the New Urbanism. Leed for Neighborhood development. Disponível em: <https://www.cnu.org/our-projects/leed-neighborhood-development> Acesso em: janeiro, 2019.

CNU. Congress for the New Urbanism. The Movment. Disponível em: <https://www.cnu.org/who-we-are/movement> Acesso em: outubro, 2018.

CUNHA, Luiz. Densidade de ocupação do solo e planeamento urbano. Análise social, Lisboa, Portugal. Vol. II, n° 6, 1964. Disponível em: < http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1224162116F0aLH6qb5Uq88WD9.pdf>. Acesso em: março, 2019.

FARR, Douglas. Urbanismo sustentável. Desenho urbano com a natureza. Porto Alegre: Bookman, 2013.

KALLAS, L. M. E.; GUILLEN-SALAS, J.C. A Sustentabilidade na Paisagem Urbana. In: KALLAS, L. M. E.; GUILLEN-SALAS, J.C. I Seminário da Paisagem Urbana e Sustentabilidade, 2017, Goiânia. I Seminário da Paisagem Urbana e Sustentabilidade. I SEPAS. Goiânia: Gráfica UFG, 2017. p. 14-29.

KALLAS, L.M.E. Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV): Densidades. Capacitação em mobilidade urbana. Módulo: Polos geradores de viagens (PGV), Estudo de Impacto de vizinhança (EIV) e Trânsito (EIT). UFG. 2019.

KWINTER, Sanford. Notas sobre a terceira ecologia. MOSTAFAFAVI, Mohsen e DOHERTY, Gareth (Org.). Urbanismo Ecológico. São Paulo: Gustavo Gili, 2014. P.94 a 106.

LAMAS, José Manuel Ressano Garcias. Morfologia Urbana e Desenho da Cidade. Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Porto, 3a Ed, 2004.

LEITE, Carlos. Cidades sustentáveis cidades inteligentes. Desenvolvimento sustentável num planeta Urbano. Porto Alegre: Bookman, 2012

LITMAN, Tood. (Victoria Transport Policy Institute) Well Measured - Developing Indicators for Sustainable and Livable Transport Planning, 2019. Disponível em: https://vtpi.org/wellmeas.pdf . Acesso em :fevereiro, 2019.

MASCARÓ, Juan Luis; AZAMBUJA, Giovani Baseggio. Sustentabilidade em urbanizações de pequeno porte. Porto Alegre: Masquatro Editora, 2010.

MOREIRA, L.M.P.S; VIEIRA, G. C.L.; HORA, K. E. R.; KALLAS, L.M.E.. Níveis de densidade populacional: Uma proposta de classificação para Goiânia – GO, aplicação no Setor Central. In: Anais do XVIII ENANPUR 2019, Natal, 2019. v. 1. Disponível em: http://anpur.org.br/xviiienanpur/anaisadmin/capapdf.php?reqid=1034 > Acesso em novembro, 2019.

MOSTAFAVI, Mohsen. Por que um urbanismo ecológico? Por que agora? In: MOSTAFAFAVI, Mohsen e DOHERTY, Gareth (Org.). Urbanismo Ecológico. São Paulo: Gustavo Gili, 2014. P.12 e 13.

MUBDG V22 (2010). Dados sobre Goiânia. 2010. Disponível em:https://www.goiania.go.gov.br/shtml/seplam. Acesso em: nov.2021.

NETTO, Vinicius M e KRAFTA, Romulo. A forma urbana como problema de desempenho. In:NETTO, Vinicius M.. Cidade e sociedade. As tramas da prática e seus espaços. Porto Alegre, Editora Sulina, 2014. Página 317 a 363

PEREIRA COSTA, Staël de Alvarenga; GIMMLER NETTO, Maria Manoela. Fundamentos de morfologia urbana. Belo Horizonte: C/Arte, 2015.

PONT, Meta Berghauser; HAUPT, Per. Space, Densiy ad Urban Form. Netherlands.Rotterdam: NAI Publishers, 2010.

RUEDA, Salvador. El Urbanismo Ecológico. Urban – e, Barcelona, 2013. Disponível em:<http://urban-e.aq.upm.es/articulos/ver/el-urbanismo-ecol-gico/completo> Acesso em: fevereiro, 2019.

RUEDA, Salvador. Plan de Indicadores de Sostenibilidad Urbana de Vitoria-Gasteiz. Barcelona, 2010. Disponível em: < https://www.vitoria-gasteiz.org/docs/wb021/contenidosEstaticos/adjuntos/es/89/14/38914.pdf> Acesso em: abril, 2018.

RUEDA, Salvador. Plan Especial de Indicadores de Sostenibilidad Ambiental de la Actividad Urbanística de Sevilla. Barcelona, 2008. Disponível em: < http://www.ecourbano.es/imag/00%20DOCUMENTO%20ENTERO.pdf> Acesso em: abril, 2018.

RUEDA, Salvador. Modelos e indicadores para ciudades más sostenibles: taller sobre indicadores de huella e calidad ambiental. Barcelona: Fundación Forum Ambiental / Departament de Medi Ambient de la Generalitat de Catalunya, 1999.

SICHE, R et al. Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade. Campinas v.X, n2. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/asoc/v10n2/a09v10n2.pdf>. Acesso em: agosto de 2018.

CARD

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

MOREIRA, L. M. .; KALLAS, L. Densidade e Uso do Solo em Goiânia-GO: O Bairro Jardim Goiás. Revista Jatobá, Goiânia, v. 3, 2021. DOI: 10.54686/revjat.v3i.71938. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/71938. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos livres