O trabalho do grupo de pesquisa arquitetura e lugar

Resgate da documentação da arquitetura moderna no agreste paraibano. Campina Grande. 1950-1980.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54686/revjat.v2i.65427

Palavras-chave:

História da arquitetura. documentação. arquitetura moderna. projetos arquitetônicos.

Resumo

O artigo possui como objeto de estudo o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo grupo de pesquisa arquitetura e lugar/ GRUPAL, vinculado ao curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Campina Grande/ UFCG e cadastrado no CNPq/ Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, em prol do resgate da documentação da arquitetura moderna no agreste paraibano, especificamente a cidade de Campina Grande. Trabalha com o recorte temporal de 1950-1980, período áureo da produção da arquitetura moderna campinense e possuidor de características que o vinculam diretamente à Escola do Recife. O objetivo do artigo é divulgar o trabalho que vem sendo realizado ao longo de cinco anos, resultante de projetos de pesquisa acadêmica em nível de iniciação científica e de conclusão de cursos na graduação, bem como, de pesquisas de pós-graduação, como dissertações de mestrado. Justifica-se pela importância em valorizar a interiorização da pesquisa no nosso país, que passa por um momento tão difícil para a educação e todo o arcabouço que a constitui, como por exemplo, a documentação e a conservação do acervo patrimonial moderno. O Grupal vem analisando arquitetonicamente as edificações modernas produzidas pelos arquitetos que atuaram na cidade no recorte cronológico trabalhado, a fim de detectar os valores projetuais e construtivos das mesmas, e que contribuíram para a consolidação da modernidade arquitetônica na paisagem urbana local. Para tanto, adota uma metodologia que trabalha com fontes primárias, compostas de material de projeto, como plantas, cortes, fachadas, perspectivas; fotografias, além do próprio edifício em si, talvez o mais importante “documento”. Tais fontes são coletadas em arquivos particulares e públicos, sendo redesenhados em programas gráficos, construindo-se um rico acervo documental que serve de suporte para trabalhos acadêmicos, exposições, livros, artigos, blogs, postagens em redes sociais.

Biografia do Autor

Alcilia Afonso, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) , Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Possui doutorado em Projetos Arquitetônicos pela ETSAB/ UPC na Espanha (2006), convalidado no Brasil pela UFRGS, mestrado em História pela Universidade Federal de Pernambuco / UFPE (2000), sendo especialista em Arte e Cultura Barroca pela UFOP/ MG (1986), em Conservação Urbana pelo CECI/MDU/ UFPE (1998), e graduada em Arquitetura pela Universidade Federal de Pernambuco/ UFPE (1983). Obteve o DEA/ Diploma de Investigadora Europeia em 2004, pela ETSAB/ UPC, tendo experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Projetos arquitetônicos e História da Arquitetura e Urbanismo, atuando, principalmente, nos seguintes temas: projetos arquitetônicos, tectônica e patrimônio arquitetônico do século XX. Professora visitante durante duas estadias (2010 e 2011), no programa de doutorado em projetos arquitetônicos na ETSAB/ UPC de Barcelona, realizando investigação pós-doutoral sobre "Projetos de habitação econômicos modernos brasileiros" com bolsa da Fundación Carolina, Governo Espanhol. É professora aposentada da UFPI, associada nível 4 do curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro de Tecnologia da UFPI/ Universidade Federal do Piauí e foi vice-diretora do Centro de Tecnologia/ UFPI, de abril de 2010 até abril/ 2014. É professora Adjunta da Universidade Federal de Campina Grande/ UFCG, Paraíba, onde leciona na graduação de Arquitetura e Urbanismo, e na pós-graduação em História, na linha História e Cidade, e é coordenadora do Grupo de pesquisas Arquitetura e Lugar/GRUPAL, investigando sobre projetos arquitetônicos, tectônica, patrimônio moderno e industrial. Possui vários artigos publicados em periódicos e em anais de congressos na área em que atua e dezoito livros publicados na área de Arquitetura e Cidade/ Memória produzida no nordeste brasileiro, especificamente, tratando das cidades de Teresina (PI), Recife (PE) e Campina Grande (PB). É membro do ICOMOS Brasil e do DOCOMOMO Brasil, e faz parte de redes internacionais de pesquisa, tais como: GRUPO FORM da ETSAB/UPC/ Barcelona/ Espanha; INCUNA em Gijón/ Astúrias/ Espanha; e na Faculdade de arquitetura e urbanismo da Universidade de Veracruz/México. Integra ainda com o GRUPAL. UFCG a rede INOVA. UFCG e a plataforma UNpesq.

Referências

AFONSO, A. La consolidación de la arquitectura moderna en Recife en los años 50. Barcelona: Tese doutoral na linha de projetos arquitetônicos. ETSAB. UPC. 2006.

AFONSO, A. A poética da construção residencial moderna campinense. Tectônica e modernidade. Manaus: 7º DOCOMOMO Norte Nordeste. 2018.

AFONSO, A. Arquitetura e estrutura: a obra de Raul Cirne em estádios de futebol do Piauí e da Paraíba nos anos 70. Manaus: 7º DOCOMOMO Norte Nordeste. 2018.

AFONSO, A. Proposta metodológica para pesquisa arquitetônica patrimonial. Belo Horizonte: 3º simpósio científico do ICOMOS Brasil. 2019.

BRANDI, C. Teoria da Restauração. São Paulo, Ateliê, 2004.

BRUAND, Y.Arquitetura contemporânea no Brasil.SP: Ed. Perspectiva.1979.

CARBONARA, G. Avvicinamento al Restauro. Napoli, Liguori, 1997.

Carta de Burra. Iphan. 1980. Disponível em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Burra%201980.pdf. Acesso em 14 de junho de 2019.

Carta de Nizhny Tagil sobre o patrimônio industrial. 2003. TICCIH. Disponível em http://ticcih.org/wp-content/uploads/2013/04/NTagilPortuguese.pdf. Acesso em 30 de junho de 2018.

Carta de Veneza. Iphan. 1964. Disponível em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Veneza%201964.pdf. Acesso em 24 de outubro de 2019.

CARVALHO, J. Estudos sobre o patrimônio arquitetônico industrial campinense do século XX. Etapa 01. O Ciclo do Algodão. Campina Grande: UFCG. PIVIC 2016.

CHOAY, F. A Alegoria do Patrimônio. 4ª. Ed. São Paulo: Estação Liberdade. UNESP. 2006.

COSTA, L. Considerações sobre arte contemporânea (1940). In: L. COSTA, Registro de uma vivência. São Paulo, Empresa das Artes, 1995.

DINIZ, D. Tectônica da modernidade: desafios para a preservação da arquitetura moderna em Campina Grande. Campina Grande: UFCG. PIBIC 2018.

DINIZ, D. Intervenção arqui (tectônica): Estudo preliminar de restauro do Teatro Municipal Severino Cabral em Campina Grande-PB. Trabalho de conclusão de curso de graduação em arquitetura e urbanismo. UFCG. 2020.

FRAMPTON, K. Estudios sobre cultura tectónica. Poéticas de la construcción em la arquitectura de los siglos XIX y XX. Madrid: 1999. Ediciones Akal S.A,1999.

GARCIA, M. Prata Moderna. Estudos sobre a produção arquitetônica moderna no bairro da Prata. Campina Grande. Paraíba. Campina Grande: UFCG. PIBIC 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas.2008.

GUEDES, D. As indústrias da modernidade em Campina Grande. 1968/ 1971/ Etapa01_ Inventário. Campina Grande: UFCG. PIVIC 2019.

KÜHL, B. M. Preservação do Patrimônio Arquitetônico da Industrialização. Problemas teóricos de restauro. Cotia, Ateliê / FAPESP, 2009.

LEITE, J. A relação entre Concepção Arquitetônica e Estrutura em projetos Industriais Modernos em Campina Grande. Estudos de Casos. Campina Grande: UFCG. PIVIC 2018.

LEITE, J. Palimpsesto patrimônio industrial. Projeto de intervenção Fábrica Wallig Nordeste S.A. Campina Grande – PB. Trabalho de conclusão de curso de graduação em arquitetura e urbanismo. UFCG. 2020.

LICHTENSTEIN,N. Patologia das construções. Publicado no Boletim Técnico Nº06/86 da Escola Politécnica da USP. SP: USP. 1986.

MEDEIROS, A. T. e AFONSO. A. As fábricas de ladrilho hidráulico de Campina Grande - PB: um estudo do patrimônio industrial. Revista Labor & Engenho. UNICAMP. Volume 12, Nº 3/ 2018.

MEDEIROS. A. T. O design de superfície nos ladrilhos hidráulicos. Um estudo do patrimônio industrial campinense. Programa de pós-graduação em Design. UFCG. Campina Grande. 2018.

MEDEIROS, A. T. Ladrilho hidráulico: a valorização do território através do design de superfície. 84 f. TCC (Graduação) - Curso de Design, UAD, UFCG, Campina Grande. 2015.

MENESES, C. A influência da Escola do Recife na arquitetura de Campina Grande. 1950-1970. Campina Grande: UFCG. PIVIC 2015.

MENESES, C. Geraldino Duda. Contribuições para a difusão da modernidade arquitetônica campinense. 1960-1970. Campina Grande: UFCG. PIBIC 2016.

MENESES, C. As residências unifamiliares de Geraldino Duda. Um estudo sobre o morar em Campina Grande nos anos 60. Campina Grande: UFCG. Trabalho de conclusão de curso em arquitetura e urbanismo. 2017.

OLIVEIRA, I. Renato Azevedo: o arquiteto e sua produção na cidade de Campina Grande. 1968-1997. Levantamento das obras. Campina Grande: UFCG. PIVIC. 2017.

PEREIRA, I. Tertuliano Dionísio: A presença do arquiteto em obras modernas de Campina Grande. 1960-1980. Etapa 01. Campina Grande: UFCG. PIVIC. 2018.

PEREIRA, I. A obra do CAIC / centro de atenção integral à criança José Jofilly, em Campina Grande, Paraíba: análise arquitetônica e de conservação. Campina Grande: UFCG. PIVIC. 2019.

PIÑÓN, H. Teoria do projeto. Traduzido por E. Mahfuz. Porto Alegre: Livraria do arquiteto. 2006.

RIBEIRO, R e NÓBREGA C. (org). Projeto e patrimônio: reflexões e aplicações. Rio de Janeiro: Rio Books. 2016.

RODRIGUES, R. Modernidade e industrialização em Campina Grande: o patrimônio arquitetônico industrial. 1960-1980. Campina Grande: UFCG. PIVIC 2017.

RODRIGUES, R. Revitalizando o espaço | Ginásio CAIC CG. Trabalho de conclusão de curso de graduação em arquitetura e urbanismo. UFCG. 2020.

SOARES, V. Análise de obras modernas do arquiteto Tertuliano Dionísio em Campina Grande. 19601980. Etapa 02. Campina Grande: UFCG. PIVIC 2019.

SOBREIRA, C. Origem da Arquitetura moderna em Campina Grande: obras precursoras e suas contribuições para a arquitetura regional. 1900-1950. Campina Grande: UFCG. PIBIC 2015.

SOBREIRA, C. A linguagem arquitetônica brutalista em obras de Campina Grande. PB.1970-1990. Campina Grande: UFCG. PIVIC 2016.

SEGAWA, H. Arquiteturas no Brasil 1900-1990. São Paulo: EDUSP, 2002.

TINOCO, Jorge Eduardo. Mapa de danos. Recomendações básicas. Recife: CECI/MDU. 2019.

ZEIN, R. A década ausente. É preciso reconhecer a arquitetura brasileira dos anos 1960-70. Arquitextos, n. 076.02. São Paulo, Portal Vitruvius, set. 2006. Disponível em http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq076/arq076_02.asp. Acesso em 20 de outubro de 2018.

Downloads

Publicado

2020-10-29

Como Citar

AFONSO, A. . O trabalho do grupo de pesquisa arquitetura e lugar: Resgate da documentação da arquitetura moderna no agreste paraibano. Campina Grande. 1950-1980. Revista Jatobá, Goiânia, v. 2, 2020. DOI: 10.54686/revjat.v2i.65427. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/65427. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê