GOIÂNIA, CIDADE NOVA, PATRIMÔNIO RECENTE

a arquitetura residencial como elemento da paisagem do núcleo Pioneiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54686/revjat.v1i.61275

Palavras-chave:

Cidade e memória. inventário.residências históricas.paisagem urbana. Goiânia.

Resumo

Goiânia (1933-34) enquadra-se no hall de Cidades Novas, projetadas como expressão de modernidade no interior do Brasil. A paisagem do seu núcleo pioneiro é pontuada por uma diversidade de arquiteturas que se inspiram nas tendências em voga na primeira metade do século XX; formando uma identidade arquitetônica multifacetada e híbrida, dentro da aparente rigidez de seu traçado urbano. Desde sua origem, a cidade tem sido palco de representações que contribuem para a reconstrução de significados na configuração da sua paisagem, assumindo a tendência antropofágica, modernizante, que não valoriza a história. Tal fato refletiu diretamente sobre a preservação de seu conjunto urbano, pela falta de reconhecimento de um patrimônio, ainda recente, por parte da população e das esferas administrativas. Compreende-se que o patrimônio residencial de uma cidade é aquele que mais se aproxima da sociedade, sua história e memória, por estar mais diretamente ligado ao seu cotidiano e às formas de habitar o espaço edificado e urbano. O artigo relata a experiência da parceria entre a UFG e o IPHAN-GO, com recursos provenientes do Ministério Público do Estado de Goiás, que busca identificar e caracterizar o patrimônio residencial da fase inicial de Goiânia e sua contribuição na construção de uma paisagem representativa para a cidade. A metodologia, desenvolvida ao longo da experiência vivida, compõe pesquisas bibliográficas, icnográficas, iconográficas, geoprocessamento e levantamentos em campo, envolvendo derivas de apreensão do lugar e da paisagem, leitura da morfologia urbana e contato com moradores. Nesse processo, foram agregadas oficinas de capacitação no sentido de ampliar o escopo do trabalho à esfera da educação patrimonial. Este é um trabalho pioneiro, que incorpora a diversidade de linguagens contidas na paisagem urbana da cidade, aspecto ainda pouco assimilado, especialmente no que se refere à sua valorização. Almeja-se com isso, aproximar a sociedade ao patrimônio arquitetônico local e estabelecer diretrizes para sua preservação.

CARD

Publicado

2019-12-17 — Atualizado em 2022-03-23

Versões

Como Citar

MORA PEREIRA CAIXETA, E. M.; DE MENDONÇA, D. M.; MOREIRA, L. M. P. da S.; DEL CASTILLO, J. M. M.; ALVES, D. R. GOIÂNIA, CIDADE NOVA, PATRIMÔNIO RECENTE: a arquitetura residencial como elemento da paisagem do núcleo Pioneiro. Revista Jatobá, Goiânia, v. 1, 2022. DOI: 10.54686/revjat.v1i.61275. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/61275. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos livres