ANÁLISE DOS DESLOCAMENTOS E DOS MOMENTOS FLETORES NAS FUNDAÇÕES E NOS PILARES DE PONTES RETAS EM CONCRETO ARMADO CONSIDERANDO A INTERAÇÃO SOLO-ESTRUTURA

Autores

  • Mariana Silva Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. marianasfg8@gmail.com
  • Karen Andreza Marcelino Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. karen.marcelino.106@ufrn.edu.br
  • José Neres da Silva Filho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. jneres@ect.ufrn.br https://orcid.org/0000-0002-9138-1771
  • Rodrigo Barros Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. rodrigo.barros@ufrn.br https://orcid.org/0000-0002-7218-2646

DOI:

https://doi.org/10.5216/reec.v19i2.76887

Palavras-chave:

Pontes, Pilares, Fundações, Interação solo-estrutura, Método dos elementos finitos

Resumo

Este artigo apresenta um estudo analítico e numérico relativo aos deslocamentos e momentos fletores resultantes no conjunto pilar-tubulão de pontes em concreto armado, considerando a interação solo-estrutura (ISE). No estudo analítico, foram utilizados o método de Matlock e Reese (1961) e a equação diferencial em base elástica e, no estudo numérico, foram realizadas modelagens via método dos elementos finitos (MEF). A partir dos resultados, pode-se constatar que a forma de obtenção da constante horizontal do solo – por meio de equações empíricas ou resultados de provas de carga – interfere nos deslocamentos resultantes. Além disso, o método de Matlock e Reese (1961) apresentou resultados semelhantes àqueles obtidos numericamente, através do modelo com apoios elásticos lineares ao longo da profundidade da fundação. Em contrapartida, o modelo numérico com apoios elásticos resultou em valores maiores do que o dobro dos deslocamentos médios obtidos através do modelo numérico que considera o solo com rigidez infinita. Isso mostra que, no caso específico em análise, a ponte estaria com níveis de deslocamentos bem superiores àqueles previstos em projeto, o que potencializaria o efeito de segunda ordem na estrutura, podendo provocar desgastes estruturais irreparáveis ou, até mesmo, o colapso estrutural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Silva Freitas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. marianasfg8@gmail.com

Engenheira Civil, Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) - marianasfg8@gmail.com

Karen Andreza Marcelino, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. karen.marcelino.106@ufrn.edu.br

Engenheira Civil, Mestranda do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPCivAm/UFRN) - karen.marcelino.106@ufrn.edu.br

José Neres da Silva Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. jneres@ect.ufrn.br

Engenheiro Civil, Doutor, Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) - jneres@ect.ufrn.br

Rodrigo Barros, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. rodrigo.barros@ufrn.br

Engenheiro Civil, Doutor, Professor da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) - rodrigo.barros@ufrn.br

Referências

ALIZADEH, M.; DAVISSON, M. T. Lateral load tests on piles. Journal of Soil Mechanics and Foundation Division, Vol. 96, 1970, 1583-1604 p.

ALONSO, U. R. Dimensionamento de fundações profundas. São Paulo: Blucher, 2012.

ARAÚJO, A. G. D. Provas de carga estática com carregamento lateral em estacas escavadas hélice contínua e cravadas metálicas em areia. Dissertação (Mestrado em Ciências em Engenharia Civil) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN. Natal, RN, 2013, 221 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto - Procedimentos. Rio de Janeiro, 2023.

¬¬______ NBR 6484: Solo - Sondagens de simples reconhecimento com SPT - Método de ensaio. Rio de Janeiro, 2020.

¬¬______ NBR 7187: Projeto de pontes, viadutos e passarelas de concreto. Rio de Janeiro, 2021.

¬¬______ NBR 7188: Carga móvel rodoviária e de pedestres em pontes, viadutos, passarelas e outras estruturas. Rio de Janeiro, 2013.

MARCHETTI, O. Pontes de concreto armado. São Paulo: Blucher, 2008.

MATLOCK, H.; REESE, L. C. Foundation analysis of offshore pile supported structures. Proceedings of the V International Conference on Soil Mechanics and Foundation Engineering, Vol. 2, 1961, 91-97 p.

MELO, S. T. Estudo analítico e numérico via método dos elementos finitos dos deslocamentos horizontais de pilares de pontes em concreto armado. Dissertação (Mestrado em Estruturas e Construção Civil) – Universidade de Brasília, Brasília, UnB. Brasília, 2017, 136 p.

REESE, L. C.; MATLOCK, H. Non-dimensional solutions for laterally loaded piles with soil modulus assumed proportional to depth. Proceedings of the VIII Texas Conference on Soil Mechanics and Foundation Engineering, 1956, 1-23 p.

SOUSA, A. M. D.; SILVA FILHO, J. N.; MACIEL, D. N.; COSTA, Y. D. J.; FREITAS, M. S. Estudo da estratificação do solo e coeficientes de engastamento estaca-bloco na interação solo-estrutura em fundações de pontes. 59° Congresso Brasileiro do Concreto - CBC2017, 2017, Bento Gonçalves - RS. Anais do 59° Congresso Brasileiro do Concreto, 2017.

SOUZA, R. A.; REIS, J. H. C. Interação solo-estrutura para edifícios de fundações rasas. Acta Sci. Technol, Vol. 30, 2008, 1583-1604 p.

TERZAGHI, K.; PECK, R. B. Soil exploration, soil mechanics in engineering practice. John Wiley and Sons Inc, 1948.

WINKLER, E. Die lehre von der elastizistat und festigkeit. Verlag von H. Dominicus, 1867.

Downloads

Publicado

2023-12-28

Como Citar

SILVA FREITAS, M.; MARCELINO, K. A.; DA SILVA FILHO, J. N.; BARROS, R. ANÁLISE DOS DESLOCAMENTOS E DOS MOMENTOS FLETORES NAS FUNDAÇÕES E NOS PILARES DE PONTES RETAS EM CONCRETO ARMADO CONSIDERANDO A INTERAÇÃO SOLO-ESTRUTURA. REEC - Revista Eletrônica de Engenharia Civil, Goiânia, v. 19, n. 2, p. 21–36, 2023. DOI: 10.5216/reec.v19i2.76887. Disponível em: https://revistas.ufg.br/reec/article/view/76887. Acesso em: 15 jul. 2024.