Pedagogia Interétnica:

uma proposta de formação humana antirracista e multicultural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rppoi.v19.72500

Palavras-chave:

Educação, Pedagogia interétnica, Racismo, Multiculturalismo

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar os princípios educativos da Pedagogia Interétnica, surgida como iniciativa do Núcleo Cultural Afro-Brasileiro, com base nas lutas sociais antirracistas do movimento negro nas décadas de 1970 e 1980. No desenvolvimento desta pesquisa qualitativa, foi utilizada como técnica a revisão bibliográfica de publicações acadêmicas sobre essa pedagogia para sua releitura em contraste com concepções ocidentais de formação humana. Tais concepções, vistas em períodos históricos diferentes, possuem um caráter eurocêntrico e racista que se estendeu à contemporaneidade, não só na Europa, mas também no mundo colonizado. Diante disso, foram identificados princípios e teorias surgidas no século XX contrários a essa visão eurocêntrica do conhecimento e que embasaram a Pedagogia Interétnica, de modo que uma formação humana de caráter multicultural crítico e não eurocêntrico está subjacente a sua proposta. A aplicação da Pedagogia Interétnica em cursos de formação docente e em espaços educacionais demonstrou que essa pedagogia pode se tornar uma alternativa às concepções eurocêntricas presentes nos currículos escolares brasileiros, no sentido de promover e valorizar a diversidade cultural, racial e social brasileira.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Ivo Silva, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Doutorando em Estudos da Linguagem, pela Universidade Federal de Catalão (UFCAT); mestre em Educação, Linguagem e Tecnologias, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); especialista em Educação em e para os Direitos Humanos na Diversidade Cultural e licenciado em Letras, ambos pela Universidade de Brasília (UnB). Atualmente é docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB).

Raimundo Márcio Mota de Castro, Universidade Estadual de Goiás

Pós-doutorado em Educação Escolar e Religião (PUCPR). Doutor em Educação (PUCGoiás). Mestre em Educação (UNIUBE). Especialista em Metodologia do Ensino Superior (FIBRA). Possui curso Superior de Tecnologia em Logística (Universidade Estácio de Sá). Licenciado em Pedagogia - Séries Iniciais (UVA). Bacharel em Teologia (UNIFAI). É professor titular na Universidade Estadual de Goiás, coordena a Unidade Universitária de Senador Canedo e é professor no Programa de Pós-graduação Stricto Senso Interdisciplinar em Educação Linguagem e Tecnologias (PPG-IELT). 

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ALBUQUERQUE, Maria José Albuquerque da Silva; BRANDIM, Maria Rejane Lima. Multiculturalismo e educação: em defesa da diversidade cultural. Revista Diversa. Belo Horizonte: UFMG, ano I – n. 1, p. 51-66, jan./jun. 2008. Disponível em: <http://www.ufpi.br/subsiteFiles/parnaiba/arquivos/files/rd-ed1ano1-artigo4_mariasilva.PDF>. Acesso em: 28 abr. 2020.

ATAÍDE, Yara Dulce Bandeira de; MORAIS, Edmilson de Sena. A (re)construção da identidade étnica afrodescendente a partir de uma proposta alternativa de educação pluricultural. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade. Salvador: UNEB, v. 12, n. 19, p. 81-98, jan./jun. 2003. Disponível em: https://biblat.unam.mx/pt/revista/revista-da-faeeba/20. Acesso em 28 abr. 2020.

AYODELE, Cristina. Trajetória da educação do negro no Brasil: movimento negro e políticas públicas. In: MORAES, Cristina de Cássia Pereira; LISBOA, Andreia Silva; OLIVEIRA, Luciana de Fatima (Orgs.). Educação para as relações étnico-raciais. Goiânia: FUNAPE, UFG/Ciar, 2. ed., 2012, p. 113-141.

BACELAR, Jeferson Afonso. Mario Gusmão: um príncipe negro na terra dos dragões da maldade. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais), 2003. 414f. – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas – UFBA, Salvador, 2003.

BATISTA, Gustavo Araújo. John Locke: sua biografia, sua personalidade, sua época, sua filosofia e pedagogia e sua proposta curricular. Cadernos da FUCAMP. Monte Carmelo: FUCAMP, v. 3, n. 3, p. 1-25, 2004. Disponível em: <http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/cadernos/article/view/53>. Acesso em: 28 abr. 2020.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2004. Disponível em: <http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/DCN-s-Educacao-das-Relacoes-Etnico-Raciais.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2020.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. Trad. de Álvaro Lorencine. São Paulo: Editora da Unesp, 1999.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: ANPEd, v. 13, n. 37, p. 45-56, jan./abr. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n37/05.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2020.

COMENIUS, Iohannis Amos. Didática Magna. Trad. de Joaquim Ferreira Gomes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. Disponível em: <http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/didaticamagna.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2020.

CRUZ, Manoel de Almeida. Pedagogia interétnica. Cadernos de pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, n. 63, p. 74-76 nov. 1987. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1277/1278>. Acesso em: 28 abr. 2020.

GARCIA, Alysson Fernandes. Introdução conceitual para a educação das relações étnico-raciais. In: MORAES, Cristina de Cássia Pereira; LISBOA, Andreia Silva; OLIVEIRA, Luciana de Fatima (Orgs.). Educação para as relações étnico-raciais. Goiânia: FUNAPE, UFG/Ciar, 2. ed., 2012, p. 143-167.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2009.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: Educação antirracista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 39-62.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. O Jogo das diferenças: o multiculturalismo e seus contextos. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

______. Multiculturalismo e educação: do protesto de rua a propostas e políticas. Educação e Pesquisa. São Paulo: USP, v. 29, no. 1, p. 109-123, jan./jun., 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ep/v29n1/a09v29n1.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2020.

HUBERT, Rene. História da pedagogia. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.

LIMA, Ivan Costa. Uma proposta pedagógica do movimento negro no Brasil: Pedagogia Interétnica de Salvador, uma ação de combate ao racismo. Dissertação (Mestrado em Educação), 2004. 170f. - Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSC, Florianópolis, 2004. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/86988>. Acesso em: 28 abr. 2020.

______. Trajetória, história e identidade negra: elementos de constituição da pedagogia interétnica em Salvador. Revista Teias. Rio de Janeiro: UERJ, ano 9, n. 17, p. 3-15, jan./jun. 2008. Disponível em: <http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php/revistateias/article/viewFile/245/243>. Acesso em: 28 abr. 2020.

LOCKE, John. Pensamientos sobre la educación. Trad. De Rafael Laselata. Madrid: Akal, 1986.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez, 2000.

MATTOS, Hebe Maria. Escravidão e Cidadania no Brasil Monárquico. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2004.

MOORE, Carlos. O marxismo e a questão racial: Karl Marx e Friedrich Engels frente ao racismo e à escravidão. Trad. de Bruno Gini Madeira. Belo Horizonte: Nandyala; Uberlândia: Cenafro, 2010.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira. Niterói-RJ: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2004, p. 15-34.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. O sortilégio da cor: identidade, raça e gênero no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2003.

PINTO, Regina Pahim. O movimento negro em São Paulo: luta e identidade. 1993. Tese (Doutorado em antropologia Política) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da USP, São Paulo, 1993.

PÓVOAS, Ruy do Carmo. A memória do feminino no Candomblé: tecelagem e padronização do tecido social do povo de terreiro. Ilhéus: Editus, 2010.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 117-142. Disponível em: <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2020.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SANTOS, Sales Augusto dos. A Lei 10.639/03 como fruto da luta anti-racista do Movimento Negro. In: BRASIL. Educação antirracista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 21-37.

______. Educação: um pensamento negro contemporâneo. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

SANTOS, Diego Junior da Silva; PALOMARES, Nathália Barbosa; NORMANDO, David; QUINTÃO, Cátia Cardoso Abdo. Raça versus etnia: diferenciar para melhor aplicar. Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial. Maringá: Dental Press Editora, vol.15, n. 3, 2010, p. 121-124. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/dpjo/v15n3/15.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-31