O trabalho docente na universidade no contexto da pandemia da COVID-19:

práxis e alienação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rppoi.v19.69674

Palavras-chave:

Práxis. Alienação. Trabalho docente. Universidade. Covid-19.

Resumo

O presente texto objetiva (re)pensar, mediante um processo de reflexão crítica, o trabalho docente na Universidade no contexto da COVID-19. Assim, apresentamos aspectos do cenário instaurado, sobretudo como este aflorou problemáticas sociais e evidenciou a política segregadora estabelecida no Brasil desde o início do pleito presidencial no ano de 2018. No campo da educação a condição da quarentena impôs o que ficou conhecido, no âmbito das Universidades brasileiras, como regime de aulas não presenciais (REANP), mais uma vez segregando e distanciando os sujeitos sociais da luta política. Professores e alunos se encontraram do dia para a noite inseridos em uma “aula outra”, não havia mais o espaço físico (o concreto) – a sala de aula, mas plataformas e programas desconhecidos que tiveram que ser implementados sem o auxílio de uma formação nem mesmo técnica, quiça crítica e reflexiva. Por fim, alicerçados na concepção de educação crítica, abordamos ainda que as categorias do materialismo histórico dialético, a citar: trabalho, alienação, ideologia, classe social, contradição, negação, totalidade, universalidade, mediação, infraestrutura e superestrutura, são oportunas para leitura do trabalho docente na Universidade, em suma dos nexos internos e contraditórios do mesmo, possibilitando a compreensão crítico-reflexiva, por exemplo, da natureza da aula universitária remota.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTONIO, S.; TAVARES. K. O voo dos que ensinam e aprendem: uma escuta poética. Cachoeira Paulista, SP: Passarinho, 2020.

BALL, S. J.; BOWE, R. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journalof Curriculum Studies, v. 24, n. 2, p. 97- 115, 1992.

BALL, S. J. Education reform: a critical and post-structural approach. Buckinghan: Open University, 1994.

DOWBOR, F. F. Quem educa marca o corpo do outro. 2º ed. São Paulo: Cortez, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 9.ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

LIPOVETSKY, N. Formação e trabalho docente: da crítica ideal à crítica construída. 2011. 231 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UFG, Goiânia, 2011.

MAGALHÃES, S. M. O.; MOURA, S. A. T. Intervenções discursivas na subjetividade docente em tempos de pandemia COVID-19. In: SUANNO, M. V. R.; ROSA, S. V. L.; TEIXEIRA, R. A. G. (Orgs.). Formação, profissionalização docente e trabalho educativo. Goiás: MC&G Editorial; UFG, 2020.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição a análise das políticas educacionais. Educ. Soc., v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008.

NEVES, L. M. W. (Org.). A nova pedagogia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

OLIVEIRA, A.; LOPES, A. C. A abordagem do ciclo de políticas: uma leitura pela teoria do discurso. Cadernos de Educação, n. 38, p. 19-41, 2011.

SILVA, K. A. C. P. C. Epistemologia da práxis na formação de professores: perspectiva crítico-emancipadora. Campinas: Mercado das Letras, 2019.

SILVA, F. T. Currículo em transição: uma saída para a educação pós-pandemia. EDUCAAmazônia, v. XXV, n. 01, p. 70-77, 2020.

SOUZA, R. C. C. R.; MAGALHÃES, S. M. O.; GUIMARÃES, V. S. Método e metodologia na pesquisa sobre professores(as). In: SOUZA, R. C. C. R.; MAGALHÃES, S. M. O. (Orgs.). Pesquisas sobre professores(as): métodos, tipos de pesquisas, temas, ideário pedagógico e referenciais. 2ª ed. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2014.

Downloads

Publicado

2021-12-31