ACERVOS PRIVADOS COMO FONTES DE PESQUISA:

ARQUIVOS, MEMÓRIAS, ESQUECIMENTOS

Autores

Palavras-chave:

Acervos privados, Fontes históricas, Memória

Resumo

Bases para a escrita da história, as fontes só se tornaram “questão” após o movimento dos Annales na direção de uma história renovada em métodos, objetos e técnicas e, consequentemente, da ampliação da noção de documento e de um novo conceito de fonte histórica. Imposição burocrática para criar um memorial da vida profissional provocaram reflexões sobre a experiência de transformar em fontes documentos de acervo pessoal encontrados em armários, pastas e caixas. Discutem-se as possibilidades e riscos de transformar esse acervo de documentos, fotos e objetos colecionados e guardados pelas pessoas ao longo de suas vidas, em fontes de pesquisa para a escrita da História da Educação. O processo de lidar com a memória implica em enfrentar estranhamentos, contradições, incompletudes, ausências e omissões. Cabe alertar sobre os riscos de transformar arquivos privados em fontes e sobre a necessidade de conhecimentos sobre a história da sociedade e da educação na qual foi produzida a coleção transformada em fonte, numa operação que enfrenta as particularidades sem perder de vista a totalidade histórica. A formulação correta de questões de pesquisa pode dar sentido a esses acervos privados e transformá-los em fontes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9578 - Arquivos. Rio de Janeiro, 1986.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1997.

BELLOTO, Heloísa Liberalli. Arquivos pessoais em face da teoria arquivística tradicional: debate com Terry Cook. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 201-208, jul. 1998. ISSN 2178-1494. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2063>. Acesso em: 16 Abr. 2019.

BLOCH, Marc; FEBVRE, LUCIEN . Disponível em https://www.persee.fr/doc/ahess_0003-441x_1929_num_1_1_1031. Acesso em: 01 fev. 2021.

BOSCHI, Renato R.. Entre a cruz e a caldeira: classes médias e política na terra da transição In LARANGEIRA, Sônia. Classes e movimentos sociais na América Latina. São Paulo, Hucitec, 1990. P 158-175

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha,. Trabalho de Mulher: igualdade ou proteção. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas n. 61, p. 58-67, mai. 1987. Disponível em http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/1244/1248. Acesso em 01 de Jan. 2021.

BUENO, Belmira Oliveira et al . Histórias de vida e autobiografias na formação de professores e profissão docente (Brasil, 1985-2003). Educ. Pesqui., São Paulo , v. 32, n. 2, p. 385-410, Aug. 2006 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022006000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 05 Fev. 2021. https://doi.org/10.1590/S1517-97022006000200013.

CAMPOS, José Francisco Guelfi .Arquivos pessoais, acesso e memória: Questões em pauta. Inf. Inf., Londrina, v. 18, n.2, p. 150 – 167, maio/ago. 2013.

CAMPOS, José Francisco Guelfi. Um feliz encontro. IN José Francisco Guelfi Campos(org.) Arquivos pessoais: experiências, reflexões, perspectivas. São Paulo: Associação dos arquivistas de são Paulo: São Paulo: ARQ-SP, 2017.

CERICATO, Itale Luciane. A profissão docente em análise no Brasil: uma revisão bibliográfica. Rev. Bras. Estud. Pedagog., Brasília , v. 97, n. 246, p. 273-289, Aug. 2016 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-66812016000200273&lng=en&nrm=iso>. access on 05 Feb. 2021. https://doi.org/10.1590/S2176-6681/373714647.

CERTEAU, M. A escrita da História. Trad. Maria de Lourdes Menezes. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

COSTA, Marisa Vorraber. Trabalho docente e profissionalismo. 1. ed. Porto Alegre (RS): Sulina, 1995. v. 1. 275p

CPDOC. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil – CPDOC/FGV – www.cpdoc.fgv.br Acesso em 16 abr 2019.

DEMARTINI, Zeila B. F. Velhos mestres de novas escolas: um estudo das memórias dos professores da Primeira República em São Paulo. Relatório de Pesquisa. Ceru/Inep, 1984. 1984;

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S. . Professores do Brasil: impasses e desafios. 1. ed. Brasília: Editora da UNESCO, 2009.

GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas, Sinais. São Paulo: Cia da Letras, 1989.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. Trad. Betania Amoroso. São Paulo: Cia da Letras, 1987.

GOMES, Ângela Maria de Castro. Nas malhas do feitiço: O historiador e os encantos dos arquivos privados. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 121-128, jul. 1998. ISSN 2178-1494. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2069>. Acesso em: 16 Abr. 2019.

GOUVEIA, A. Joly. Professoras de amanhã. Rio de Janeiro. MEC-INEP. 1965.

HEYMANN, Luciana Quillet. De "arquivo pessoal' a "patrimônio nacional": reflexões acerca da produção de " legados" . Rio de Janeiro: CPDOC, 2005. Trabalho apresentado no I Seminário PRONEX Direitos e Cidadania apresentado no CPDOC/FGV. Rio de Janeiro, 2-4 de ago de 2005.

HEYMANN, Luciana Quillet. Indivíduo, memória e resíduo histórico: uma reflexão sobre arquivos pessoais e o caso Filinto Müller.. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 10, n. 19, p. 41-60, jul. 1997. ISSN 2178-1494. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2041>. Acesso em: 16 Abr. 2019.

HOBSBAWN, Eric. (1994). A era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Cia das Letras.

HYPOLITO, Álvaro Moreira. Relações de gênero e de classe social na análise do trabalho docente. Cadernos de Educação (UFPel), Pelotas, n.4, p. 5-18, 1995.

LEWIN, Helena. Educação e força de trabalho feminina no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: Fundação Carlos Chagas, n 32, p. 45-59, fev. 1990.

LÜDKE, M.; BOING, L. A. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1159-1180, set./dez. 2004. Disponível em: . Acesso em: 7 maio 2015.

MELLO, Guiomar N. Magistério de 1º grau: da competência técnica ao compromisso político. São Paulo: Cortez: Autores Associados. 1982.

NUNES, Clarice. Memória e História da Educação: entre práticas e representações. In: Maria Cristina Leal; Marília Pimentel. (Org.). História e Memória da Escola Nova. 1ed.Rio de Janeiro: Loyola, 2003, v. 1, p. 9-26.

PESSANHA, E. C.;OLIVEIRA, Stella; ASSIS, Wanderlice. Muito além de “papéis velhos”: fontes para história de disciplinas escolares armazenadas em um arquivo escolar. Revista Educação em Questão (UFRN. Impresso), v. 41, p. 164-191, 2011.

PESSANHA, Eurize Caldas. Meio século em sala de aula: histórias de pessoas, cultura escolar e de currículo. Campo Grande: Editora Oeste, 2015.

PESSANHA, Eurize Caldas. Ascensão e queda do professor. São Paulo: Cortez Editora, 1994.

PESSANHA, Eurize Caldas. Entrevendo o currículo: um estudo sobre cadernos escolares de normalistas. In: Ana Chrystina Venancio Mignot. (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. 1ed.Rio de Janeiro: Editora da UERJ - EdUERJ, 2008, v. 1, p. 223-237.

REIS, José Carlos Reis. Os Annales: a Renovação teórico-metodológica e “utópica” da História pela reconstrução do tempo histórico. IN Demerval Saviani; José Claudinei Lombardi; José Luís Sanfelice (orgs.) História e História da educação: o debate teórico-metodológico atual. 4a. Ed. Campinas: Autores Associados, 2010.

SAFFIOTTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1976.

SAVIANI, D. Breves considerações sobre fontes para a história da educação. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. especial, p. 28-35, ago. 2006 - ISSN: 1676-2584.

Downloads

Publicado

07-09-2021

Como Citar

PESSANHA, E. (2021). ACERVOS PRIVADOS COMO FONTES DE PESQUISA: : ARQUIVOS, MEMÓRIAS, ESQUECIMENTOS. Poíesis Pedagógica, 19(contínuo). Recuperado de https://revistas.ufg.br/poiesis/article/view/68533