SOBRE CORES, LÍNGUA E EDUCAÇÃO DECOLONIAL

Autores

Palavras-chave:

Educação. Língua. Decolonização

Resumo

O presente artigo é fruto de pesquisa bibliográfica e trabalha as questões relativas ao processo de colonização no Brasil, as formas estratégicas utilizadas pelo colonizador para gerar o apagamento das culturas Indígenas e Africanas, bem como da língua, como forma de imposição e dominação cultural. É um texto sobre memória, língua, cultura e educação. Sobre nossas raízes coloniais e o possível processo de decolonização de nossa configuração mental e linguística como educadores e educandos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Ed. Forense-Universitária, 1981.

BATISTA, Vera Malaguti. Adesão Subjetiva à Barbárie. In Loïc Wacquant e a Questão Penal no Capitalismo Neoliberal. ______ (org.). Rio de Janeiro: Revan, 2012.

BAUMAN, Zygmunt . Ensaios sobre o conceito de cultura; tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2012.

CHAVEIRO, Eguimar Felício. Porque o mundo é possível: A batalha de linguagem nas sociedades mundializadas. Revista ENTRELETRAS (Araguaína), V.10, n.2/ jul/dez 2019 (ISSN 2179-3948-online)

COSTA Joaze Bernardino,Ramón Grosfoguel. Dossiê: Decolonialidade E Perspectiva Negra. Revista Sociedade e Estado. Print version ISSN 0102-6992 -Soc. estado. vol.31 no.1 Brasília Jan./Apr. 2016

DIRETÓRIO DOS ÍNDIOS (1755) -Texto integral.

https://www.nacaomestica.org/diretoriio_dos_indios.htm

ERBS, Rita Tatiana Cardoso e ABREU, Denis Carara de. Sobre o dito e o não dito: pontes sobre tempos e histórias. In: ERBS, Rita Tatiana Cardoso e ARAÚJO, Juliana Pereira de. O humano na pesquisa (auto) biográfica: diversidades de contextos e experiências. Jundiaí/SP: Paco Editorial, 2020.

FARACO, Carlos Alberto. A relevância social da linguística: linguagem teoria e ensino/ Carlos Alberto Faraco...[et al.] ; organização Djane Antonicci Correia. –São Paulo: Parábola Editorial; Ponta Grossa, PR: UEPG, 2007

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, Vozes, 1987

GONDAR, Jô. O que é memória social? Jô Gondar e Vera Dodebei (orgs). Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rioa de Janeiro, 2005.

HALL, Stuart. Quando foi o pós-colonial? Pensando no limite. In: Hall, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais, p. 101-131. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003

___________; CERNICCHIARO, Ana Carolina (Trad). Etnicidade: identidade e diferença. Crítica Cultural – Critic, Palhoça, SC, v. 11, n. 2, p. 317-327, jul./dez. 2016.

HEINTZE, Beatrix. A lusofonia no interior da África Central na era pré-colonial. Um contributo para a sua história e compreensão na actualidade. Cadernos de Estudos Africanos, 7/8 -2005. http://journals.openedition.org/cea/1361

MATOS, Lúcia Helena Lopes de. A língua e o conhecimento: um passeio pela memória. [E-F@BULATIOS/ E-F@BULAÇÕES]. 8/Dez. 2011

MINGAS, Amélia Arlete. A língua como fator de identidade e identização. In:Acolhendo as línguas africanas – segundo momento. Org.: Edil Silva Costa. Norma da Silva Lopes. Yeda Pessoa de Castro. Salvador: EDUNEB, 2010.

SANTOS, Boavetura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENEZES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul, p. 23-72. Coimbra: Edições Almedina, 2009. ]

SEVERO, Cristine Gorski. Línguas e heranças africanas no Brasil: articulando política linguística e sócio-história. revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/483/1257

____________________. Português e línguas Bantu na educação angolana: da diversidade como “problema”. Línguas e instrumentos linguísticos – Nº 43 – jan-jun 2019.

VELOSO, Caetano Emanuel Viana Teles. Poema Língua. Disponível em:http://notaterapia.com.br. Postado em 21/01/2016 postado por: Luisa Bertrami D'Angelo.

Publicado

2021-12-19