ESCRITA QUE (DES)MASCARA: CONSIDERAÇÕES SOBRE ORTOGRAFIA PORTUGUESA OITOCENTISTA EM MANUSCRITOS GOIANOS

Autores

  • Maiune de Oliveira SILVA Instituto Tecnológico de Goiás Aguinaldo Campos Netto

DOI:

https://doi.org/10.5216/lep.v23i1.63871

Resumo

O presente artigo objetiva apresentar dados e análise sobre a escrita em documentos eclesiásticos goianos, escritos no século XIX. Para tal, o material de nosso estudo é um códex manuscrito entre os anos de 1839 a 1842, com assentos de batismos de escravos e suas progênies, além de pessoas livres. Observamos, no estudo, caracteres ortográficos, como fronteiras de palavras que representam os vocábulos fonológicos e/ou morfológicos, a posição do sinal diacrítico ou a ausência dele favorecendo a formação de ditongos e monotongos ou os representando como ocorreriam na fala. Como referencial teórico, utilizaremos Higounet (2003); Megale et al. (2007), Fachin (2011), entre outros que versam acerca desta temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maiune de Oliveira SILVA, Instituto Tecnológico de Goiás Aguinaldo Campos Netto

Mestra em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão. Professora do Instituto Tecnológico de Goiás Aguinaldo Campos Netto.

Downloads

Publicado

2020-06-12

Como Citar

DE OLIVEIRA SILVA, M. . ESCRITA QUE (DES)MASCARA: CONSIDERAÇÕES SOBRE ORTOGRAFIA PORTUGUESA OITOCENTISTA EM MANUSCRITOS GOIANOS. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Goiânia, v. 23, n. 1, p. 111–131, 2020. DOI: 10.5216/lep.v23i1.63871. Disponível em: https://revistas.ufg.br/lep/article/view/63871. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos de temática livre