JOGOS TRADICIONAIS INFANTIS E JUVENIS EM MOÇAMBIQUE: A LUDICIDADE, A SENSIBILIDADE E A PRESERVAÇÃO CULTURAL EM QUESTÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/lep.v23i2.61042

Resumo

O presente artigo é um corte da tese de doutorado sobre a história da emergência da literatura infantil e juvenil em Moçambique na qual discutimos em que medida os jogos e brincadeiras infantis e juvenis, considerando o seu enquadramento puramente linguístico, têm uma tendência que não se esgota nestas faixas etárias demonstrando uma finalidade lúdica, sensível e de preservação cultural. A metodologia que ampara esta pesquisa é a revisão bibliográfica em que o arcabouço teórico de partida que destaca Huizinga (1980); Prista, et al. (1992) e Colonna e António (2014) e Alves e Gnoato (2003) forneceu dados valiosos sobre a tipologia dos jogos e brincadeiras, a utilidade e a sua relação com a cultura. Ainda que seja um dos países multilingue e multicultural, dos resultados revelam uma tendência do incentivo da prática de alguns jogos e brincadeiras tradicionais no sistema de ensino contribuindo para além da sociabilidade, a ludicidade, sensibilidade e preservação cultural.

 

Palavras-chave: jogos tradicionais; ludicidade; sensibilidade; cultura; Moçambique  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Manuel NAPIDO, Universidade Licungo, Moçambique, napido209070@gmail.com

Doutor em Letras pela Universidade Estadual de Maringá. Mestre em Educação/Ensino de Português pela Universidade Pedagógica de Moçambique. Possui graduação em Linguística, pela Universidade Eduardo Mondlane. Atualmente é Docente Universitário na Categoria de Professor Auxiliar Escalão 1, na Universidade Licungo - Moçambique.

Downloads

Publicado

2021-10-30

Como Citar

NAPIDO, P. M. . JOGOS TRADICIONAIS INFANTIS E JUVENIS EM MOÇAMBIQUE: A LUDICIDADE, A SENSIBILIDADE E A PRESERVAÇÃO CULTURAL EM QUESTÃO. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Goiânia, v. 23, n. 2, p. 197–220, 2021. DOI: 10.5216/lep.v23i2.61042. Disponível em: https://revistas.ufg.br/lep/article/view/61042. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos de temática livre